Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Israel amplia fechamento da Cisjordânia até terça-feira

Bloqueio, que impede passagem de palestinos a Israel e a Jerusalém Oriental, duraria até a 0h do domingo

Efe,

14 de março de 2010 | 11h35

Palestino manifesta contra bloqueio e novos assentamentos em frente a policiais israelenses. Tara Todras-Whitehill/AP

 

JERUSALÉM - O Exército de Israel anunciou neste domingo, 14, a prorrogação do fechamento geral do território da Cisjordânia até a noite da próxima terça-feira. O bloqueio foi iniciado à meia-noite de quinta-feira e inicialmente duraria até a meia-noite deste domingo. A inicial decisão foi ordenada pelo ministro da Defesa, Ehud Barak, com base, segundo um comunicado militar, em "novas avaliações da situação de segurança".

 

Veja também:

linkIsrael detém dirigente de braço armado do Hamas em Ramallah

 

Até a próxima terça-feira, ocorrerão dois eventos que podem desencadear confrontos entre palestinos e o Exército israelense. O primeiro será na segunda-feira, na inauguração da reconstruída sinagoga Hurva, situada no bairro judaico da Cidade Antiga de Jerusalém.

 

O segundo é a grande manifestação na Esplanada das Mesquitas convocada por organizações extremistas judaicas. O objetivo é reivindicar que os judeus possam rezar e realizar cerimônias religiosas livremente no local.

 

O fechamento da Cisjordânia, que não só impede a passagem de palestinos a Israel, mas também a Jerusalém Oriental, é habitual durante as festas oficiais do Estado judeu. O bloqueio, porém, não era imposto fora dessas datas há cinco anos, com exceção à visita de George W. Bush em 2008.

 

PROTESTOS

 

Na sexta-feira, quatro palestinos foram detidos por atirar pedras e dois policiais foram levemente feridos em alguns protestos pelo fechamento da área ocupada, segundo um porta-voz policial. Testemunhas disseram ter visto um palestino jogar pedras contra um carro que levava crianças judias.

 

Na Faixa de Gaza, manifestantes protestaram contra a ação da Polícia em Jerusalém. "Iremos retomar a mesquita de Al-Aqsa com nossa alma e nosso sangue", gritava a multidão, que queimou bandeiras de Israel e dos EUA.

 

No sábado, dezenas de mulheres palestinas entraram em conflito com tropas israelenses nos arredores da cidade. Os enfrentamentos ocorreram em Qalandiya, região que separa as áreas palestina e árabe da cidade.

 

As mulheres gritavam "Jerusalém é árabe, nossa eterna capital" e tentaram furar o bloqueio imposto pelos soldados israelenses. Os militares usaram gás lacrimogêneo para dispersar as manifestantes. Um carro do Exército foi atingido por uma bomba incendiária, mas o fogo foi rapidamente controlado pelas tropas.

 

Durante a vigência do fechamento, podem atravessar pacientes, médicos, trabalhadores religiosos, professores e outros grupos profissionais, sempre que contem com autorização da chamada Administração Civil, corpo militar israelense que administra os assuntos civis em territórios palestinos. Também é liberada a entrada e saída da Cisjordânia de jornalistas, embora o Exército recomende que a passagem seja coordenada com antecedência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.