Arte/ estadao.com.br
Arte/ estadao.com.br

Israel atacou comboio no Sudão com armas para Hamas, diz TV

Imprensa afirma que 39 pessoas morreram no bombardeio de janeiro; Cartum confirma ataque não-identificado

Agências internacionais,

26 de março de 2009 | 08h49

A Força Aérea Israelense teria promovido um ataque contra um comboio de caminhões no Sudão que levavam armas para o Hamas na Faixa de Gaza, segundo afirmou a imprensa americana. O incidente matou 39 pessoas escondidas em 17 veículos em janeiro deste ano, enquanto muitos civis que estavam na região bombardeada foram feridos.  Dois altos políticos sudaneses confirmaram o ataque, mas disseram que foi feito por aeronaves não-identificadas. O governo israelense se recusou a confirmar a informação, mas o premiê Ehud Olmert afirmou que Israel atacará "todos os lugares que puder para acabar com o terrorismo, perto ou longe".

 

Segundo o canal americano CBS, aviões israelenses atacaram um comboio de armas que tinha como destino a Faixa de Gaza, onde Israel realizava uma ofensiva militar contra o movimento islâmico palestino Hamas. O armamento, segundo a versão da emissora, procedia do Irã e foi desembarcado na cidade de Porto Sudão, onde foi carregado em 17 pequenos caminhões que deviam chegar a Gaza através do território do Egito, fronteiriço com a Faixa de Gaza. O jornal egípcio independente Al-Shorouk afirmou que fontes sudanesas informaram que aviões americanos seriam os envolvidos no ataque. A embaixada dos EUA em Cartum não quis fazer comentários.

 

O porta-voz do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, afirmou que não faria nenhum comentário sobre a informação da CBS. Também não confirmaram nem desmentiram oficiais do Exército consultados pela imprensa local, que se limitam a reproduzir em títulos a informação divulgada pela rede de televisão americana CBS. Segundo o jornal Haaretz, Olmert especulou sobre o papel de Israel no ataque. "Israel atacará todos os lugares que puder para acabar com o terrorismo, perto ou longe", afirmou o premê em entrevista coletiva em Herzliya.

 

Em declarações ao site do jornal Sudan Tribune, com sede em Paris, o ministro dos Transportes sudanês, Mabruk Mubarak Salim, confirma o ataque e diz "que uma potência importante bombardeou pequenos caminhões com armas, incendiando todos eles". Saleem afirmou ainda que o bombardeio matou cidadãos do Sudão, da Eritreia e da Etiópia, além de ferir muitos outros. O site afirma ainda que o ataque aconteceu numa área desértica no noroeste da cidade de Porto Sudão.

 

Israel não costuma confirmar nem desmentir ações de caráter ofensivo em território de outros países, tanto as realizadas por seu Exército quanto pelos serviços secretos. O correspondente da CBS David Martin afirmou que a inteligência israelense soube dos planos de transportar o carregamento de armas pelo Sudão, passando pelo Egito, pela península do Sinai até a Faixa de Gaza.

 

Matéria atualizada às 12h11.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.