Israel atenderá pedidos do Hamas por Gilad Shalit, diz jornal

Grupo pede a libertação de todos os presos palestinos em troca do soldado israelense, capturado em 2006

Efe ,

16 de outubro de 2008 | 17h00

Israel mostrou ao Egito sua disposição em libertar todos os presos palestinos exigidos pelo Hamas em prol da soltura do soldado Gilad Shalit, capturado em 2006, informou nesta quinta-feira, 16, o jornal saudita Ukaz. O jornal cita uma fonte palestina de alto escalão, mas o governo israelense não confirmou nem desmentiu a informação.   A fonte, cuja identidade não foi revelada pelo jornal, afirmou ao Ukaz no Cairo que Israel expressou o desejo durante uma visita de uma delegação israelense liderada pelo Departamento de Segurança Diplomática do Ministério da Defesa israelense, general Amos Gilad, à capital egípcia.   Segundo a fonte, o objetivo da visita era assegurar que o grupo islâmico Hamas e outras três facções palestinas não aumentassem suas exigências para libertar o militar israelense. A fonte informou ainda que após a formação do novo governo israelense pela presidente do Kadima, Tzipi Livni, esse Gabinete fará uma reunião especial para aprovar a libertação de 450 presos palestinos, inclusive os que estão na lista entregue pelo Hamas.   Além disso, os israelenses libertarão outros 550 presos palestinos, acrescentou a fonte. Na última segunda-feira, o jornal israelense Haaretz informou que o Hamas aumentou suas exigências a Israel para a libertação de Shalit. O jornal informou que, segundo alguns participantes das negociações para a libertação de Shalit, Israel deverá mudar seu critério sobre a lista de presos palestinos que deseja libertar em troca.   As fontes, ainda segundo o Haaretz, disseram que o Hamas reitera que Israel deve libertar presos condenados por "crimes de sangue", uma exigência que causa reações diferentes entre os membros do atual Executivo israelense e os responsáveis pela Defesa.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasIsraelGilad Shalit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.