Israel autoriza construção de 900 casas em Jerusalém Oriental

Exército pune soldados que protestaram contra a retirada de assentamento não-autorizado na Cisjordânia

Agência Estado,

17 Novembro 2009 | 13h54

O Ministério do Interior de Israel autorizou nesta terça-feira, 17, a construção de mais 900 residências na anexada Jerusalém Oriental, segundo um funcionário. "O comitê de planejamento e construção autorizou a construção de 900 unidades de moradia no bairro de Gilo", afirmou a fonte.

 

O funcionário, que pediu anonimato, notou que o projeto ainda precisa ser revisado e passará pela Justiça, antes das obras. A interrupção da construção nos assentamentos apontada como condição essencial pelos palestinos para a retomada das negociações de paz, e a autorização de mais construções pode gerar condenações.

 

Também nesta terça-feira, o Exército de Israel puniu um grupo de soldados que protestou contra a retirada forçada de assentados da Cisjordânia. O Exército afirmou que tropas se recusaram a seguir ordens na segunda-feira, durante a retirada de um assentamento não autorizado pelo governo. Os militares também ergueram um cartaz contrário à retirada dos israelenses dessas áreas.

 

Um comunicado das Forças Armadas nota que o protesto político feito por tropas uniformizadas foi "fundamentalmente errado". Segundo o texto, quatro soldados foram enviados para uma prisão miliar por até um mês, enquanto dois outros devem ficar confinados em suas bases durante um mês.

Mais conteúdo sobre:
Israel palestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.