Amir Cohen/ REUTERS - 5/1/2010
Amir Cohen/ REUTERS - 5/1/2010

Israel bloqueará rodovias e uma praia próximas à Faixa de Gaza por segurança

Tensão entre palestinos e israelenses tem escalado após confrontos que resultaram em quatro mortos e dezenas de feridos

EFE, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2019 | 04h23

JERUSALÉM - Israel bloqueará rodovias e áreas próximas à Faixa de Gaza, incluindo uma praia, depois que a tensão aumentou no final de semana com a morte de quatro palestinos (dois deles eram milicianos) e com o ataque a arma de fogos, durante protestos, que resultou em dois soldados israelenses feridos. 

Até um novo comunicado, a praia Zikim, ao norte da faixa, e todas as rodovias com acesso ao lado oeste da 232, uma via paralela enclave costeiro do bloqueio.

Na sexta, 3, quatro palestinos morreram, na faixa devido aos disparos feitos por soldados israelenses durante protestos que deixaram mais de 50 feridos. 

Os dois milicianos morreram durante bombardeios, também disparados por israelenses, sobre instalações militares do Hamas - grupo que controla a Faixa de Gaza. 

Em represália, os palestinos dispararam com armas de fogo e feriram dois soldados israelenses. 

O incidente aconteceu durante a tradicional Grande Marcha do Retorno, que em todas as sextas-feiras desde março de 2018 pede o regresso dos refugiados e o fim do bloqueio

As milícias armadas em Gaza, incluindo o Hamas, prometeram represálias contra as mortes de sexta; e o Centro de Operações Militares Conjunto, que agrupa as seis principais milícias, disse que vai "aumentar seus preparos para responder aos crimes do inimigo". 

Depois de uma relativa calma pelas conversas indiretas que Israel e o Hamas mantêm, a tensão aumentou depois que o lado palestino disparou um foguete - que caiu no mar - e Israel voltou a reduzir a zona de pesca que havia ampliado em abril.

Além disso, palestinos lançaram artefatos explosivos, que foram respondidos por bombardeios israelenses, que, então, levaram os palestinos a dispararem outros dois projéteis, o que acabou fazendo com que os alarmes antiaéreos soassem em Israel. 

Uma delegação dos movimentos islâmicos Hamas e Jihad Islâmico viajou na quinta para o Egito a fim de avançar na atual acordo de entendimento de "calma pela calma" e conter a escalada de instabilidade. 

instabilidade

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    HamasIsrael [Ásia]Palestina [Ásia]

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.