Israel começa a divulgar detalhes sobre ataque aéreo à Síria

Em reportagens censuradas, governo admite bombardeio após presidente sírio confirmar incursão à BBC

Associated Press e Agência Estado,

02 de outubro de 2007 | 12h19

Israel aliviou nesta terça-feira, 2, as restrições impostas às informações referentes a uma incursão aérea contra a Síria no mês passado, autorizando pela primeira vez a publicação de reportagens sobre um ataque aéreo a "um alvo militar" não especificado no interior do território sírio. A censura israelense vinha impondo total restrição à cobertura do ataque de 6 de setembro dentro de Israel. Mas nesta terça o departamento de censura militar autorizou a divulgação de detalhes preliminares depois de o presidente da Síria, Bashar Assad, ter confirmado em entrevista à emissora britânica de televisão BBC que houve um ataque a uma base militar desativada."Aviões da Força Aérea de Israel atacaram um alvo militar no interior da Síria em 6 de setembro. A censura militar autorizou hoje a publicação da notícia", informou a Rádio do Exército de Israel.Na página do jornal Maariv na internet, a manchete era "Agora a revelação pode ser feita: Israel atacou a Síria". O jornal Haaretz enfatizou que o Exército deu permissão para a publicação do "fato".Apesar disso, a censura militar israelense continuava proibindo a divulgação de detalhes importantes como o alvo do ataque, quais forças participaram da missão e se a operação obteve êxito.No exterior, a imprensa vinha citando fontes americanas fazendo especulações sobre qual teria sido o alvo. Falou-se desde um suposto carregamento de armas ao Hezbollah no Líbano a uma instalação nuclear secreta desenvolvida com tecnologia norte-coreana.Em Israel, reportagens referentes a questões militares e de segurança precisam ser submetidas à censura, que tem autoridade para mudar as reportagens ou simplesmente proibir a publicação de um tema.Numa decisão rara, o departamento de censura emitiu uma ordem específica proibindo a divulgação de qualquer detalhe referente ao ataque aéreo à Síria. Em Israel, a violação da censura é passível de punições diversas, entre elas o descredenciamento do jornalista.Entrevista síriaNa segunda-feira, Assad revelou em entrevista à BBC que aviões israelenses atacaram no mês passado uma "instalação militar desativada" durante uma incursão em espaço aéreo sírio. Segundo ele, o ataque demonstra "a visceral antipatia israelense à paz".Assad enfatizou que Damasco reserva-se o direito de retaliar da forma que julgar mais adequada. Ainda assim, prosseguiu ele, a Síria não tem planos de atacar Israel militarmente.Esta foi a primeira vez que o líder sírio comentou a misteriosa incursão aérea israelense sobre a Síria em 6 de setembro e admitiu que houve um bombardeio a um alvo específico.Antes da entrevista, Damasco limitava-se a dizer que suas forças antiaéreas haviam repelido uma incursão israelense e que os aviões teriam despejado tanques e munições para descarregar peso durante a fuga.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.