Israel critica Vaticano por menção a campo de concentração

Israel condenou na quinta-feira um assessor sênior do papa Bento 16 por ter comparado a Faixa de Gaza a um campo de concentração. O país se mostrou chocado pelo fato de um homem religioso usar "o vocabulário da propaganda política do Hamas". "Ficamos chocados ao ouvir de um dignitário espiritual palavras tão distantes da verdade e da dignidade", disse à Reuters pelo telefone, falando desde Israel, o porta-voz do Ministério do Exterior israelense Yigal Palmor. Na quarta-feira, o cardeal Renato Martino, presidente do Conselho de Justiça e Paz do Vaticano, proferiu a crítica mais contundente de Israel feita pelo Vaticano desde o início da crise mais recente no Oriente Médio, qualificando a Faixa de Gaza como "um grande campo de concentração". Para Palmor, "vindo de um membro do Colégio de Cardeais, o vocabulário da propaganda política do Hamas é um fenômeno chocante e decepcionante."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.