Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Israel diz que 400 militantes do Hamas já foram mortos

Entre as outras 500 vítimas, ao menos metade é formada por combatentes islâmicos, segundo a inteligência

da Redação, com agências internacionais,

12 de janeiro de 2009 | 19h29

A Inteligência das Forças de Defesa Israelense (IDF, na sigla em inglês) aponta que pelo menos 400 dos mais de 900 mortos na ofensiva na Faixa de Gaza são militantes do grupo islâmico Hamas, segundo informou o jornal Jerusalem Post em sua edição digital nesta segunda-feira, 12.   Veja também: Hamas diz que 'se aproxima da vitória' em Gaza Em Israel, partidos árabes são banidos de eleições Israel planeja controlar fronteira de Gaza e Egito Foguete de Israel atinge Brazil, no Egito  ONU investigará violações em ofensiva de Israel Israel manda reservistas e avança em centros urbanos Custo da guerra é de US$ 8 milhões por dia  Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques       A investigação da IDF também supõe que entre os outros 500 mortos, pelo menos metade é formada por combatentes. Mais de 4,1 mil palestinos ficaram feridos desde o início da operação, em 27 de dezembro. Da parte israelense, 15 pessoas - entre elas dez soldados - foram dadas como mortas até agora.   Nesta segunda, aviões de combate israelenses lançaram ataques contra residências de líderes do Hamas e tropas por terra se aproximaram do altamente povoado centro da Faixa de Gaza. Espera-se que nos próximos dias os líderes israelenses decidiam se continuarão com a ofensiva.   "Israel reage vigorosamente quando seus cidadãos são atacados e isso é bom", disse a ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni. "Isso é algo que agora o Hamas compreende, e é assim que reagiremos no futuro, se eles se atreverem a disparar um só foguete contra Israel."   Após a declaração de Livni, o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, disse que só haverá trégua se o grupo islâmico parar de disparar foguetes contra Israel e depuser as armas. "Qualquer outra alternativa será enfrentada com punho de ferro pelo povo de Israel", afirmou ele.   Por sua vez, os líderes do Hamas declararam que a vitória contra Israel está "mais próxima do que nunca". O grupo islâmico conseguiu disparar 15 foguetes nesta segunda-feira contra o território israelense, mas ninguém ficou ferido.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelHamasGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.