Israel diz que barcos ativistas podem aportar em Gaza

Israel disse no sábado que permitirá queativistas que desafiam seu bloqueio à Faixa de Gaza entrem noterritório controlado pelo Hamas. Os 44 ativistas do "Liberte Gaza", oriundos de 17 países,partiram na sexta-feira do Chipre em dois barcos de madeira.Eles devem completar a viagem de 240 milhas náuticas e atingira costa de Gaza, que é patrulhada pela marinha israelense, nosábado. "Nós vamos permitir que os dois barcos cheguem a Gaza paraevitar uma boa publicidade à provocação no meio do mar", disseo porta-voz ministro do Exterior de Israel Ayre Mekel. "E porque nós sabemos quem está no barco e o que elescontêm... nós permitiremos que eles aportem", disse Mekel,acrescentando que não houve contato entre a marinha e osativistas. Entre os que fazem a viagem para destacar as empobrecidascondições de vida dos palestinos em Gaza, está a cunhada doex-premiê britânico Tony Blair, enviado de paz ao OrienteMédio, e uma freira norte-americana de 81 anos. O Ramzi Kyzia, um grupo ativista do Chipre, disse que haviasido feito um contato com os barcos depois de um longo períodode silêncio, e que estava tudo bem a bordo. "O mar está um pouco bravo e os sistemas primários denavegação ainda não funcionam, mas nós temos um reserva. Elesestão começando a se aproximar das águas palestinas." Autoridades do movimento islâmico Hamas em Gaza disseramque 13 barcos que foram ao mar para saudar os ativistas foramforçados a retornar por um navio da marinha israelense queatirou para o ar. Um porta-voz militar israelense negou. Israel retirou suas tropas e assentamentos de Gaza em 2005,mas apertou as restrições ao território desde que o Hamasconquistou seu controle, retirando-o das forças de segurança dopresidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Israel e o Hamas assinaram um cessar-fogo em junho. Oacordo prevê que ambos os lados interrompam ataques nafronteira e que Israel cesse o bloqueio que impõe à Faixa deGaza. (Reportagem adicional de Nidal al-Mughrabi, em Gaza, e OriLewis, em Jerusalém)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.