Israel diz que Hamas planejou assassinar chanceler

Israel diz que Hamas planejou assassinar chanceler

A suposta trama do Hamas ocorreu durante a guerra em Gaza de julho e agosto deste ano

DAN WILLIAMS, REUTERS

21 de novembro de 2014 | 10h39

Israel prendeu quatro palestinos suspeitos de planejarem o assassinato do ministro das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, com um foguete antitanques enquanto ele voltava para sua residência em uma colônia judaica na Cisjordânia ocupada, disseram autoridades israelenses.

A suposta trama do Hamas ocorreu durante a guerra em Gaza de julho e agosto deste ano. Sua revelação aconteceu em um momento de tensão nos frágeis laços entre Israel e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, que fica na Cisjordânia, por causa de uma disputa sobre um santuário de Jerusalém.

Um comunicado do serviço de inteligência de Israel, o Shin Bet, identificou três dos detidos como membros do Hamas e, citando suas confissões sob interrogatório, disse que eles esperavam que matar Lieberman “levaria uma mensagem para o Estado de Israel que levaria um fim à guerra em Gaza”.

O Hamas, que controla a Faixa de Gaza, embora a região esteja formalmente sob o comando de Abbas, não confirmou nem negou as alegações.

“Não temos informações sobre esta questão. No entanto, salientamos que líderes da Ocupação (Israel) que sejam responsáveis pela morte de crianças e mulheres e por desrespeitarem locais sagrados são alvos legítimos da resistência”, disse o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri.

Os quatro palestinos vivem perto da colônia de Nokdim, onde Lieberman tem uma casa. Eles haviam realizado operações de vigilância sobre o comboio do diplomata e tentado obter um lançador de granadas para atacá-lo, disse o Shin Bet.

(Reportagem adicional de Nidal al-Mughrabi, em Gaza)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELHAMASLIEBERMAN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.