Israel diz que militantes em Gaza dispararam dezenas de foguetes

Palestinos de Gaza dispararam dezenas de foguetes contra Israel na quarta-feira, e um bombardeio israelense matou um militante, um dia depois de o emir do Catar fazer uma rara visita aos líderes do Hamas no território.

JEFFREY HELLER, Reuters

24 de outubro de 2012 | 20h30

O Hamas assumiu a responsabilidade por alguns dos ataques com foguetes e morteiros, levando alguns israelenses a especularem que a liderança local teria se sentido fortalecida com a visita do monarca árabe na terça-feira, que rompeu o isolamento diplomático do grupo.

Nos últimos meses, o Hamas evitava ataques contra Israel, que continuaram sendo realizados por outras facções militantes. A intensificação repentina da violência gera temores de uma escalada ainda maior.

O Hamas acusou Israel de ampliar seus ataques aéreos contra Gaza, supostamente numa reação à visita do xeique Hamad bin Khalifa al Thani. O grupo islâmico prometeu "continuar empunhando uma arma até que a Palestina seja liberada".

Israel criticou o Catar por supostamente tomar partido numa disputa entre grupos palestinos, aliando-se ao Hamas, grupo qualificado como terrorista pelo Ocidente. O Hamas governa a Faixa de Gaza desde uma breve guerra civil em 2007, e a Cisjordânia continua sob controle da facção Fatah, apoiada pelo Ocidente.

Alguns analistas dizem que a visita do emir, a primeira de um líder nacional a Gaza desde o início do governo do Hamas, é uma tentativa de construir pontes entre o grupo e o Ocidente.

Um funcionário palestino disse que o Egito está tentando mediar uma trégua na escalada entre o Hamas e Israel.

"Os contatos que o Cairo fez resultaram em uma promessa verbal do Hamas de acalmar a situação, e Israel disse que está monitorando a calma no terreno e que vai evitar ataques a não ser que seja alvo de disparos de foguetes de Gaza", disse a fonte.

As autoridades israelenses não se manifestaram.

No segundo dia de violência, um militante do Hamas foi morto na quarta-feira em um bombardeio que, segundo Israel, evitou o disparo de mais foguetes.

Na véspera, Israel havia matado três militantes do Hamas acusados de lançarem foguetes ou estarem prestes a fazê-lo.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi e Douglas Hamilton)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELGAZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.