Ammar Awad/Reuters
Ammar Awad/Reuters

Israel diz que não vai recuar da expansão de assentamentos

EUA classificaram plano israelense como 'especialmente prejudicial' para as negociações de paz com a Palestina

estadão.com.br

03 de dezembro de 2012 | 13h55

TEL-AVIV - Israel não irá recuar sobre o plano de expansão dos assentamentos que atraiu forte condenação internacional, afirmou uma autoridade do gabinete do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, nesta segunda-feira, 3.

"Israel continuará a se colocar segundo seus interesses vitais, mesmo diante da pressão internacional, e não haverá mudanças na decisão que foi tomada", disse a autoridade.

França, Grã-Bretanha e Suécia convocaram os embaixadores israelenses em suas capitais para fazerem apelos pela mudança do plano de Netanyahu e expressarem profunda desaprovação com a construção de mais de três mil casas na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental.

O governo dos EUA também criticou duramente Israel. Na avaliação do Departamento de Estado norte-americano, o plano é "especialmente prejudicial" aos prospectos para a retomada das negociações de paz entre palestinos e israelenses, além de contrariar a posição de Washington sobre o tema.

Os EUA são o principal aliado externo de Israel. Os palestinos, por sua vez, exigem a paralisação total das obras nos assentamentos judaicos construídos em territórios ocupados antes de voltarem a negociar com Israel.

Israel anunciou o plano de expansão dos assentamentos na sexta-feira passada, um dia após a Assembleia-Geral da ONU reconhecer implicitamente o Estado Palestino, mesmo com objeções dos EUA e de Israel.

Este plano inclui "zoneamento preliminar e planejamento" para as casas dos colonos na chamada zona "E1", no leste de Jerusalém. A construção israelense no local pode dividir a região ocupada da Cisjordânia, potencialmente excluindo os palestinos de Jerusalém e diminuindo cada vez mais a esperança de um Estado contíguo.

Com Reuters e AP

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.