Israel e Alemanha se dizem unidos contra programa nuclear do Irã

Israel e Alemanhacompartilham as preocupações referentes às ambições nuclearesdo Irã e concordam com a necessidade de que o país islâmicopare de enriquecer urânio, afirmaram os líderes de ambos ospaíses nesta segunda-feira. "Vemos com grande preocupação, e de forma bastantesemelhante, o fato de o Irã continuar dando passos rumo aodesenvolvimento de armas nucleares", afirmou oprimeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, em uma entrevistacoletiva realizada em Jerusalém ao lado da chanceler daAlemanha, Angela Merkel. "Estamos, portanto, unidos quando se trata de reconhecerque há uma necessidade de continuar adotando medidas capazes deparalisar esse desenvolvimento", disse Olmert. Dando suas declarações após Olmert, Merkel disse: "Asameaças que Israel está vendo, nós as consideramos também umaameaça contra nós". "Concordamos que precisamos nos esforçar ao máximo paraaumentar o máximo possível as pressões sobre o Irã, por meio demedidas do Conselho de Segurança e também por meio denegociações dentro da União Européia (UE)", disse a chanceler,que deu início a uma visita de três dias no domingo paraparticipar das celebrações pelos 60 anos de fundação do Estadojudaico. "A Alemanha aposta em uma solução diplomática. Estamoscontando com uma solução na qual o maior número possível depaíses esteja incluído", afirmou. "O Irã precisa mostrar quenão está trabalhando em um programa nuclear." O país islâmico, rico em petróleo e um dos maiores inimigosde Israel, nega estar tentando obter armas atômicas e diz queseu programa nuclear visa apenas à produção de energia. O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, já ameaçou varrerIsrael do mapa. E Olmert descreveu o programa atômico dosiranianos como uma ameaça à existência do Estado judaico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.