Israel é atacado por foguetes lançados do Líbano; não há feridos

Projéteis são os mesmos usados pelo Hezbollah durante conflito em 2006; ninguém assumiu autoria dos ataques

Associated Press, REUTERS

08 de janeiro de 2008 | 08h00

Dois foguetes foram disparados na madrugada desta terça-feira, 8, do Líbano em direção ao norte de Israel, provando danos, mas sem causar vítimas, informaram a polícia e militares israelenses. O lançamento contra o vilarejo de Shlomi abalou Israel, que foi atacado por foguetes da guerrilha Hezbollah durante a guerra de 2006 e está em alerta máximo antes de uma visita do presidente norte-americano, George W. Bush, que se inicia na quarta-feira. Em junho, dois foguetes disparados por um grupo antes desconhecido, as Brigadas Jihadi Badr - Ramo Libanês, caíram em Israel, sem causar vítimas, apenas danos leves. Militares israelenses acreditam que o mesmo grupo foi responsável pelo ataque desta terça, apesar de ninguém ter imediatamente assumido responsabilidade. Um oficial militar libanês em Beirute afirmou que a denúncia de Israel era "sem fundamento e completamente fabricada". Ele pediu para não ser identificado.   Yasmina Bouziane, uma porta-voz das forças de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Líbano, disse que uma equipe estava investigando a veracidade da notícia. Durante a guerra de 2006, guerrilheiros do Hezbollah lançaram cerca de 4.000 foguetes contra Israel. Quarenta civis israelense morreram na guerra, junto com 119 soldados. Mais de 1.000 libaneses - a grande maioria civis - morreram nos bombardeiros de Israel.   A violência na fronteira tem sido rara desde que as forças israelenses tomaram redutos do Hezbollah no conflito de 2006. A guerra levou à expansão de uma força de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) na região, assim como à mobilização de tropas do Exército libanês ao longo da fronteira. Vários grupos militantes palestinos têm presença no Líbano e já chegaram a lançar ataques contra o outro lado da fronteira.

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDFOGUETESFRONTEIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.