Israel está pronto para impedir passagem de barcos rumo à Faixa de Gaza

A marinha israelense vai impedir que dois barcos transportando ativistas pró-palestinos, que deixaram a Turquia nesta quarta-feira, violem um bloqueio israelense e cheguem à Faixa de Gaza, disse uma oficial militar israelense.

REUTERS

02 de novembro de 2011 | 18h15

A tenente-coronel Avital Leibovich, falando a repórteres por telefone, não disse como impedirá a passagem dos barcos, acrescentou apenas que "vamos ter que avaliar e ver se estamos diante de passageiros violentos".

Israel está ciente dos dois barcos que zarparam com ativistas irlandeses, canadenses e norte-americanos, disse Leibovich. Descrevendo a viagem como uma "provocação", ela disse que eles ainda estão muito longe da costa de Israel e de Gaza.

Israel poderia oferecer para descarregar todo o carregamento e entregá-lo a Gaza, disse Leibovich. O país afirma que bloqueia a costa de Gaza para impedir o contrabando de armas para militantes palestinos no território, acrescentou.

A porta-voz disse que a Marinha está "preparada para entrar em contato" com as embarcações e que já concluiu "os preparativos necessários a fim de impedi-los de chegar à Faixa de Gaza".

Israel tem bloqueado Gaza desde que o Hamas tomou o controle do território em 2007, depois da mudança pró-Ocidente do presidente palestino Mahmoud Abbas. Israel permite que ajuda humanitária e suprimentos cheguem ao território através de uma passagem terrestre, e Gaza também compartilha uma fronteira com o Egito.

Um funcionário do governo israelense disse à Reuters mais cedo que Israel "vai tomar todas as medidas necessárias" para manter seu bloqueio.

Comandos israelenses mataram nove cidadãos turcos em um navio de uma flotilha perto de Gaza no ano passado, quando os ativistas enfrentaram com cassetetes e facas os soldados que tentaram tomar o controle do navio para assegurar o bloqueio.

O incidente afetou fortemente o laço entre Israel e Turquia, que chegou a um ponto crítico há dois meses, quando Ancara expulsou o embaixador israelense, depois que Israel rejeitou a demanda da Turquia por um pedido de desculpas pelas mortes provocadas na ocasião.

(Reportagem de Allyn Fisher-Ilan)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELGAZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.