Israel expulsará 400 crianças filhas de imigrantes ilegais

Decisão aprovada em agosto pelo gabinete de Netanyahu deve entrar em vigor dentro de um mês

estadão.com.br,

07 de setembro de 2010 | 21h28

SÃO PAULO- O governo de Israel confirmou a expulsão de 400 crianças filhas de imigrantes que estão no país, informou uma reportagem do canal Telesur nesta terça-feira, 7. Como justificativa, o Estado judeu afirma que "essas crianças não são judias".

 

Veja também:

linkPremiê palestino pede fim de assentamentos em territórios ocupados

linkFidel critica Ahmadinejad por atitudes antissemitas, diz jornalista

 

As expulsões devem começar assim que acabarem as festas em comemoração do ano novo judaico, que começam nesta quarta.

 

A decisão foi aprovada em agosto pelo gabinete do premiê Benjamin Netanyahu e em princípio envolvia 200 filhos de trabalhadores estrangeiros não judeus, procedentes em sua maioria das Filipinas, Tailândia e países da África, como Sudão ou Egito.

 

Depois de várias revisões e apelações, foi estabelecido que 400 crianças serão repatriadas aos países de origem de suas famílias, sem importar que elas tenham sido nascido em Israel, pois não são judias.

 

O ministro do Interior e líder do ultrarreligioso partido Shas, Eli Yishai, foi o principal promotor da medida ao considerar que a presença dessas crianças "ameaça a totalidade da empreitada do Estado judeu".

 

O Ministério do Interior deu um prazo de 30 dias para "dar tempo" para que os menores saiam do país e, uma vez acabado o período estimado, o governo recorrerá a métodos "mais drásticos", como a Unidade Oz, braço armado da Polícia de Imigração que tem ordens de usar a força para retirar as crianças do país.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelimigrantesEstado judeujudeu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.