Israel interceptará foguetes de curto alcance em 18 meses

Para Ehud Barak, instalação do sistema é um requisito prévio para a retirada militar de Israel da Cisjordânia

Efe,

09 de agosto de 2007 | 04h29

As Forças Armadas de Israel poderá neutralizar os ataques de foguetes com um novo sistema, que deverá estar pronto dentro de 18 meses. Atualmente, o país é impotente para interceptar foguetes de curto alcance, como os Katyusha dos milicianos libaneses do Hezbollah, e os Qassam dos palestinos. Segundo o jornal israelense Ha'aretz, o anúncio foi feito pela companhia estatal Rafael, encarregada do desenvolvimento de armas e tecnologia militar. O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, vê na instalação do sistema Domo de Ferro um requisito prévio para uma retirada militar de Israel do território da Cisjordânia. O equipamento será formado por um radar de alta sensibilidade, que captará a saída do projétil inimigo, e um dispositivo que disparará um foguete para interceptação. O foguete de interceptação será mais rápido que os Qassam, que os palestinos montam em oficinas metalúrgicas de Gaza e atingem 300 metros por segundo. As armas artesanais têm alcance de 10 quilômetros, podendo atingir 38 localidades e centros rurais do sul de Israel. Os milicianos fundamentalistas do Hezbollah dispararam quase 4 mil foguetes Katyusha contra o norte de Israel no conflito do ano passado. Foi a primeira vez que a população civil israelense ficou exposta a ataques armados diretos. O Domo de Ferro está sendo desenhado de modo a interceptar os Qassam e Katyushas no momento de sua máxima altitude. Os militares israelenses temem que os foguetes levem em suas ogivas armas químicas ou biológicas em lugar dos explosivos convencionais usados até o momento. O foguete será disparado um segundo após a detecção do ataque no radar, informaram os funcionários da Rafael. Cada um terá um custo de US$ 30 mil a US$ 40 mil. O Domo de Ferro foi escolhido entre outros 13 sistemas propostos para enfrentar os foguetes de curto alcance.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.