Ronen Zvulun/Arquivo/Reuters
Ronen Zvulun/Arquivo/Reuters

Israel irá expandir assentamentos após voto da ONU sobre Palestina

Autoridade israelense diz que 3 mil moradias devem ser construídas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental

Reuters

30 de novembro de 2012 | 14h24

TEL-AVIV - Israel planeja construir milhares de novas casas para seus colonos na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental, informou uma autoridade israelense nesta sexta-feira, 30, desafiando a votação da Organização das Nações Unidas (ONU) que implicitamente reconheceu o Estado palestino nestas áreas.

A autoridade, que falou sob condição de anonimato, disse que o governo conservador do primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu, autorizou a construção de 3 mil moradias e ordenou o "zoneamento preliminar e planejamento de (outras) milhares".

O integrante do governo não deu mais informações. Mas a imprensa israelense disse que o governo buscou reforçar domesticamente sua rejeição à aprovação na Assembleia-Geral da ONU da elevação do status palestino na entidade para "Estado observador não-membro", resolução a que Israel e Washington se opuseram.

Israel considera toda a cidade de Jerusalém como sua capital indivisível e quer manter faixas de assentamentos na Cisjordânia sob qualquer eventual tratado de paz com palestinos. A maioria das potências mundiais consideram os assentamentos ilegais por serem em terras capturadas por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967. Palestinos querem que seu Estado inclua a Faixa de Gaza, que Israel desocupou em 2005 e agora é governada por islâmicos do Hamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.