Israel liberta prisioneiros palestinos para ajudar Abbas

Israel libertou 429prisioneiros palestinos na segunda-feira, na tentativa defortalecer o presidente Mahmoud Abbas, depois de concluída umaconferência de paz sobre a criação de um Estado palestinorealizada na semana passada e patrocinada pelos Estados Unidos,afirmaram autoridades israelenses. Os detentos, a maior parte deles membros do grupo secularFatah, de Abbas, e condenados a penas de sete meses a 15 anosde prisão, saíram de ônibus da prisão de Kitsiyot, localizadaem uma área de deserto, rumo à fronteira de Israel com a Faixade Gaza e a Cisjordânia ocupada. Há quase 11 mil palestinos nas prisões israelenses. OEstado judaico diz que a maior parte deles envolveu-se com osgrupos militantes responsáveis pelo levante palestino iniciadoem 2000. O órgão prisional de Israel disse que 20 dos detentos foramenviados para a Faixa de Gaza, território controlado peloHamas, e os outros 409 chegaram a um posto da fronteira com acidade de Ramallah, na Cisjordânia, onde uma recepção formal deboas-vindas contou com a participação de autoridades palestinase familiares dos presos. "Os israelenses precisam libertar todos os que foramcondenados a longas penas de prisão para mostrar que pretendemde verdade realizar um processo de paz", disse TayebAbdel-Rahim, um assessor de Abbas. "O presidente Abbasesforça-se ao máximo para manter a questão dos prisioneiros noalto da agenda internacional." Abbas e o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert,lançaram negociações de paz oficiais na conferência deAnnapolis, Maryland (EUA). O plano prevê a assinatura de umacordo de paz até o final de 2008, quando chega ao fim omandato do atual presidente dos EUA, George W. Bush.

WAFA AMR, REUTERS

03 de dezembro de 2007 | 12h02

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELPRISIONEIROS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.