Israel libertará cinco libaneses em troca com o Hezbollah

Grupo libertará em troca dois soldados israelenses capturados há dois anos

Efe

13 de julho de 2008 | 14h26

O Serviço de Prisões de Israel (IPS) anunciou neste domingo, 13, que na quarta-feira transferirá cinco presos libaneses ao Exército israelense como parte da troca com o Hezbollah, que em troca libertará dois soldados israelenses capturados há dois anos. "Os cinco prisioneiros libaneses serão transferidos na próxima quarta-feira por nosso serviço a um ponto estipulado com o Exército israelense", disse à Agência Efe Ian Domnitz, chefe do departamento de Relações Internacionais do IPS. O funcionário identificou os presos como Samir Kuntar, detido desde 1979 por crime de assassinato, seqüestro e tentativa de homicídio, assim como Hader Zidan, Maher Kurani, Muhamed Zrur e Hussein Saliman, todos eles considerados "combatentes ilegais" e presos desde 2006. David Baker, porta-voz do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse que a troca de prisioneiros com a milícia xiita libanesa Hezbollah será "analisada na terça-feira pelo gabinete", mas não detalhou se o ato com o Hezbollah poderia acontecer na quarta-feira. O Executivo israelense aprovou no mês passado uma troca em fases com a milícia libanesa, mas os acordos finais sobre o mesmo levaram várias semanas. Segundo o acordo, o Hezbollah devolverá a Israel os soldados Ehud Goldwasser e Eldad Regev, aos quais o serviço de inteligência israelense (o Mossad) dá por mortos. Os dois foram capturados por milicianos do Hezbollah em 12 de julho de 2006, quando patrulhavam um trecho próximo à fronteira com o Líbano. Essa captura foi o estopim de um conflito de 34 dias no Líbano entre Israel e o Hezbollah, no qual morreram 1.000 libaneses e cerca de 150 israelenses. O acordo alcançado entre as partes também inclui a devolução ao Líbano dos restos mortais de dez milicianos do Hezbollah, de dezenas de libaneses mortos em diversas circunstâncias enquanto cruzavam a fronteira, e a entrega à Autoridade Nacional Palestina (ANP) de milicianos de diversas organizações palestinas mortos.

Tudo o que sabemos sobre:
hezbollahisrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.