Israel mata 8 palestinos em conflitos na Faixa de Gaza

Soldados israelenses mataram quatropalestinos armados e quatro civis na quinta-feira, na Faixa deGaza, controlada pelo grupo Hamas, afirmaram testemunhas efuncionários de um hospital. O Exército de Israel descreveu a operação ocorrida nascercanias da cidade de Khan Younis como uma caçada a militantesresponsáveis por dispararem foguetes de curto alcance contra oEstado judaico. Um foguete atingiu a cidade de Ashkelon, localizada nonorte de Israel e a 17 km da Faixa de Gaza, sem deixar danos ouvítimas. Esse foi o foguete palestino a chegar mais longe noterritório israelense, segundo os militares. Depois do ataque contra Ashkelon, caças de Israelbombardearam três prédios da Faixa de Gaza ligados à JihadIslâmica. As construções ficaram bastante danificadas, mas nãohá informações sobre vítimas. O surto de violência acontece uma semana antes de opresidente dos EUA, George W. Bush, visitar a região em meio aesforços para consolidar a conferência de paz realizada emnovembro, em Annapolis (Maryland). Naquele encontro, oprimeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, e o presidentepalestino, Mahmoud Abbas, prometeram levar adiante asnegociações de paz. Testemunhas e funcionários de hospitais palestinos disseramque um tanque israelense disparou contra uma casa localizadaperto de Khan Younis, matando um militante da Jihad Islâmicapostado do lado de fora dela. O projétil matou ainda a mãedele, uma irmã e dois irmãos que estavam dentro da casa naquelemomento. Um outro projétil feriu ao menos sete alunos de uma escola,com idades entre 8 e 10 anos, afirmaram profissionais da áreade saúde, segundo os quais um tanque de Israel disparou contrauma multidão. O Exército israelense disse estar verificando orelato. Uma porta-voz das Forças Armadas de Israel disse que ossoldados tinham sido atacados por homens armados. Um tanquedisparou contra um prédio depois de ter visto homens armadosabrigando-se dentro dele, afirmou. De acordo com o Exército, suas forças mataram doismilitantes em incidentes separados. O Hamas afirmou que os doispertenciam ao grupo. O ataque com foguete contra Ashkelon provocou preocupaçãodentro de Israel. Segundo o país, grupos palestinos aprimoramas instalações subterrâneas utilizadas para fabricar foguetesao contrabandearem munição de uso militar vinda do Egito. A Jihad Islâmica e um outro grupo militante palestino, osComitês Populares de Resistência, assumiram a responsabilidadepelo disparo do foguete. (Com reportagem de Mohammed Assadi em Ramallah e JosephNasr em Jerusalém)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.