Israel mata chefe da Jihad Islâmica na Cisjordânia

Ataque aéreo israelense mata três palestinos, incluindo uma criança, em resposta aos ataques de foguetes

Associated Press e Efe,

16 de janeiro de 2008 | 07h51

Tropas israelenses mataram nesta quarta-feira, 16, na Cisjordânia o principal comandante do grupo militante palestino Jihad Islâmica. Walid Obeidi morreu ao resistir a uma operação israelense para prendê-lo durante a madrugada em sua casa na vila de Qabatiya, ao sul de Jenin. A Jihad Islâmica jurou vingança.   Também nesta quarta, três palestinos foram mortos, entre eles uma criança, num ataque aéreo israelense contra militantes que lançavam foguetes e morteiros do norte da Faixa de Gaza contra Israel. Num ataque anterior, quatro militantes haviam ficado feridos.   Israel alegou que dezenas de foguetes e disparos de morteiros foram efetuados contra seu território desde terça-feira.  A Jihad Islâmica e o grupo Hamas afirmam que realizaram os disparos em retaliação à morte de 19 palestinos num ataque israelense em Gaza. Entre os mortos estava um filho do líder do Hamas em Gaza, Mahmoud Zahar.   Um porta-voz militar israelense confirmou a operação. Ele disse que os soldados responderam ao fogo, depois de atacados. Além disso, as tropas detiveram outro militante da Jihad armado com um fuzil M-16.   Na cidade vizinha de Nablus, segundo o porta-voz israelense, o Exército capturou nesta madrugada 24 militantes palestinos.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelCisjordânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.