Israel não deve impedir Abbas de controlar fronteira Gaza-Egito

Autoridade israelense afirma que palestinos não terão o controle sobre as fronteiras da região com Israel

Reuters,

29 de janeiro de 2008 | 09h53

Autoridades de Israel disseram nesta terça-feira, 29, que não impedirão que o presidente palestino, Mahmoud Abbas, assuma o controle da fronteira da Faixa de Gaza com o Egito, violada na semana passada por dezenas de milhares de palestinos que tentavam driblar um embargo comercial israelense.   Veja também: Faixa de Gaza foi controlada por otomanos, egípcios e judeus   Não se sabe como Abbas, da facção laica Fatah, poderá assumir o controle da fronteira, já que o grupo islâmico Hamas domina a Faixa de Gaza desde junho. Foram militantes do Hamas que explodiram a cerca da fronteira para permitir a passagem da população em direção ao Egito.   Abbas tem apoio dos Estados Unidos, da União Européia (UE) e de governos árabes para reassumir o controle do posto fronteiriço de Rafah, mas Israel vinha resistindo.   "Se todos eles querem, não seremos nós que vamos prejudicar isso. Assim acontecerá", disse uma autoridade israelense, pedindo anonimato. "Já que vemos Abbas como a força legítima e não queremos enfraquecê-lo, não temos razão para impedir." Mas essa fonte alertou que, por questões de segurança, Abbas não poderá ter o controle das fronteiras de Gaza com Israel. Abbas reivindica o controle sobre todas as fronteiras.   A fronteira de Rafah estava praticamente desativada desde junho, porque a UE retirou seus monitores dali quando o Hamas assumiu o controle da região. Na segunda-feira, a UE disse que cogita enviar novamente monitores à fronteira, desde que Israel, o Egito e Abbas concordem. O chanceler egípcio, Ahmed Aboul Gheit, também manifestou apoio ao envio das forças de Abbas para Rafah, embora isso pareça improvável enquanto ali houver homens do Hamas.   O grupo islâmico rejeitou o que chamou de "conspiração internacional liderada pelos israelenses, com a participação de algumas partes regionais" e prometeu não permitir "a volta às velhas condições" na fronteira.   A população de Gaza aproveitou a brecha na fronteira para comprar mantimentos no Egito, burlando assim o bloqueio que Israel impôs como retaliação pelos disparos de foguetes da Faixa de Gaza contra seu território.   As autoridades egípcias continuaram com o envio de reforços policiais a Rafah, mas sua presença nesta terça foi reduzida na fronteira com a Faixa de Gaza, por onde os palestinos continuam entrando no Egito, pelo sétimo dia consecutivo.   Vários comboios policiais chegaram à cidade de Rafah provenientes de outras províncias egípcias. "Toda a polícia do país está aqui", disse um agente, que preferiu não se identificar, antes de enumerar as províncias de onde chegaram os reforços.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoIsraelGazaMahmoud Abbas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.