Israel nega que uso de fósforo branco seja crime de guerra

Exército afirma que usou a substância apenas por operacionais específicas durante ofensiva na Faixa de Gaza

Agências internacionais,

26 de março de 2009 | 13h42

O Exército de Israel negou nesta quinta-feira, 26, que as munições com fósforo branco, usadas durante a ofensiva contra a Faixa de Gaza, constitua um crime de guerra como afirma a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

 

A HRW recolheu mais de 20 resíduos de bombas de fósforo branco de 155 milímetros - todas produzidas nos Estados Unidos - em ruas residenciais, telhados de casas, uma escola da ONU, um hospital, um mercado e outras instalações civis. A organização acusa Israel de não ter se limitado a utilizar o fósforo branco em áreas abertas para criar cortinas de fumaça para as tropas no terreno, como permite o direito da guerra, mas de ter usado o elemento repetidamente em locais densamente povoados, causando sofrimento e mortes desnecessárias entre a população civil. Em contato com a pele, a substância provoca profundas queimaduras e pode causar danos irreparáveis a fígado, rins e coração que levam à morte.

 

A HRW denunciou que Israel cometeu "crimes de guerra" ao usar bombas de fósforo branco contra a população de Gaza. A entidade apresentou em Jerusalém o relatório "Chuva de fogo: o uso ilegal de fósforo branco em Gaza por parte de Israel", no qual apresenta depoimentos sobre o uso desta arma durante a ofensiva militar contra Gaza, que ocorreu entre 27 de dezembro e 18 de janeiro. "O uso do fósforo branco não está proibido, mas existem normas básicas internacionais que exigem que se tomem todas as precauções possíveis para proteger os civis, o que não foi feito com estas armas em Gaza", disse Bill van Esveld, advogado da HRW e um dos autores do relatório.

 

 

"Com base nos dados obtidos até agora, é possível concluir que o Exército israelense usou obuses fumígenos de acordo com a lei internacional", afirma um comunicado militar. "Esses obuses foram usados para responder unicamente às necessidades operacionais específicas conforme o direito internacional. As afirmações de que estes obuses foram utilizados de forma indiscriminada para ameaçar a população civil carecem de fundamento", acrescenta a nota.

 

Segundo o advogado da HRW, "ferir deliberadamente ou por imprudência civis de forma desnecessária constitui um crime de guerra, não só porque assim determina o primeiro protocolo adicional da Convenção de Genebra, mas também porque a norma faz parte do costume internacional que é fonte de direito". "Doze pessoas morreram por causa do fósforo branco e dezenas ficaram feridas, embora não tenhamos o número completo", diz Van Esveld, que lembra que "muitas pessoas morreram com o uso de outras armas convencionais".

 

Entre os incidentes mais graves registrados pela HRW está o bombardeio de uma escola da ONU em Beit Lahiya onde se refugiavam 1.600 palestinos e da sede da agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA) em Cidade de Gaza, na qual se abrigavam outras 700 pessoas e onde foi destruído um armazém com ajuda humanitária. "Em um primeiro momento, o Exército israelense negou ter usado fósforo branco, depois admitiu que tinha utilizado localmente e, mais tarde, admitiu que tinha usado de forma generalizada", explica o advogado da HRW.

 

Balanço de mortos

 

O Exército de Israel voltou a contestar nesta quinta-feira as denúncias de que a maior parte dos mortos na recente ofensiva militar de três semanas contra a Faixa de Gaza fosse composta por civis. As forças armadas israelenses informaram que, depois de uma investigação, determinaram que 1.166 pessoas morreram em Gaza durante a ofensiva iniciada nos últimos dias de 2008 e encerrada em janeiro.

 

De acordo com o Exército de Israel, 709 militantes do Hamas morreram e o número de civis que perderam a vida seria de pouco menos de 300. O anúncio não esclarece se as outras 162 pessoas mortas eram combatentes ou civis. Um comunicado divulgado pelo Exército de Israel não fornece lista dos mortos, diz que as informações são baseadas em "fontes de inteligência" e afirma que os nomes das vítimas foram cuidadosamente pesquisados.

 

A mais recente lista divulgada pelos palestinos informa que 1 417 pessoas morreram em Gaza durante a ofensiva, sendo mais de 900 civis. A lista palestina contém a identidade das vítimas. O alto número de civis mortos no lado palestino desencadeou muitas críticas contra Israel por parte da comunidade internacional. Treze pessoas morreram no lado israelense, sendo dez militares e três civis.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosHamasFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.