Israel pede o fim das frotas de ajuda humanitária a Gaza

Governo exorta Líbano e comunidade internacional não permitir que navios partam para o território

estadão.com.br

23 de julho de 2010 | 10h46

JERUSALÉM - Jerusalém está exortando o Líbano e a comunidade internacional a não permitir que mais barcos de ajuda humanitária tentem chegar a Gaza, avisando que tais tentativas de furar o bloqueio ao território palestino seriam impedidas, segundo informações desta sexta-feira, 23, do jornal israelense Ha'aretz.

 

Veja também:

linkIsrael devolverá barcos detidos da frota turca

lista Veja as novas regras do bloqueio de Gaza

 

O embaixador de Israel na Organização das Nações Unidas (ONU), Gabriela Shalev, acusou os organizadores da frota composta pelos navios Junia e Julia de "procurar e incitar o confronto e acirrar as tensões na região".

 

Em uma carta ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e ao Conselho de Segurança do órgão, Gabriela disse que "Israel reserva o direito, sob a lei internacional, de usar todo e qualquer meio necessário para prevenir os barcos de violarem o bloqueio naval".

 

A embaixadora pediu que o governo do Líbano "demonstre responsabilidade e previna os dois navios de zarpar". "Israel e Líbano permanecem em estado de hostilidade e uma ação dessas preveniria na escalada dessas tensões", disse, estendendo o pedido para a comunidade internacional e pedindo que as iniciativas de enviar ajuda via marítima sejam interrompidas.

 

Uma série de frotas de ajuda foram organizadas desde o ataque de Israel contra barcos que levavam suprimentos para Gaza. O episódio deixou nove ativistas turcos mortos e causou revolta na comunidade internacional, principalmente entre os países islâmicos e árabes. O caso também fez com que as atenções fossem voltadas para o bloqueio do Estado judeu ao território palestino, posteriormente revisto.

 

As novas regras do bloqueio permite a entrada de todo o tipo de produtos em Gaza. Apenas armas, materiais de construção e outros bens, como substâncias químicas, passam por uma rigorosa supervisão antes de ingressar no território.

 

Segundo Gabriela, os organizadores da nova frota libanesa estão "cientes desses canais para enviar a ajuda, mas mesmo assim, como outros fizeram antes, buscam a confrontação".

 

Na última tentativa de furar o bloqueio, um navio líbio foi interceptado e desviado para um porto egípcio, onde descarregou os bens que levava. Os produtos posteriormente foram entregues às autoridades em Gaza, conforme foi informado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.