Israel pede 'sanções paralisantes e imediatas' contra o Irã

País islâmico, considerado uma grande ameaça ao Estado judeu, anunciou enriquecimento de urânio a 20%

estadao.com.br,

09 de fevereiro de 2010 | 11h00

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pediu à comunidade internacional nesta terça-feira, 9, que adote "sanções paralisantes" contra o Irã por conta do programa nuclear da República Islâmica, segundo a agência AFP.

 

Mais sobre o impasse:

video Comentário do jornalista Roberto Godoy

linkBrasil é pressionado por apoio ao Irã sobre programa nuclear

linkFrança e EUA concordam em adotar sanções pesadas ao Irã

linkIrã diz à AIEA que começará a produzir combustível nuclear

linkIrã ordenou início do enriquecimento de urânio a 20%

 

"Creio que o necessário atualmente é uma ação dura da parte da comunidade internacional. Isso não significa sanções moderadas ou reduzidas. Isso significa sanções paralisantes, e estas sanções devem ser impostas imediatamente".

 

As declarações de Netanyahu são uma resposta à decisão do governo iraniano de iniciar o processo de enriquecimento de urânio a 20% nesta terça-feira. A comunidade internacional acredita que o programa nuclear dos país islâmico sirva para produzir armas nucleares, mas Teerã nega e diz que o programa tem fins pacíficos.

 

O Irã é considerada a maior ameaça para Israel no Oriente Médio. O governo de Mahmoud Ahmadinejad frequentemente critica o Estado judeu por sua política com os países árabes na região e, segundo especialistas, Teerã tem condições de lançar ataques a Israel a partir de seu território.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãIsraelNetanyahuurânio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.