Israel planeja novos ataques contra a Faixa de Gaza

Jornal diz que bombardeios direcionados mostrariam ao Hamas que ataques palestinos não ficarão sem resposta

Agências internacionais,

30 de janeiro de 2009 | 10h38

Autoridades em Jerusalém afirmaram ao jornal Haaretz que Israel deve continuar lançando pequenos ataques contra o Hamas e outras organizações militantes palestinas na Faixa de Gaza. A decisão surgiu após consultas entre oficiais do gabinete de segurança e altos funcionários da Defesa e, segundo uma das fontes ouvidas pelo diário, as hostilidades são necessárias para que o Hamas saiba que os ataques contra o território israelense não ficarão sem resposta.   Veja também: Premiê turco é recebido como herói após discutir com Israel Linha do tempo dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  História do conflito entre Israel e palestinos  Imagens das crianças em meio à destruição em Gaza        Na quinta-feira, Israel lançou um ataque aéreo que feriu dez palestinos na tentativa de matar um dos membros do Hamas no sul de Gaza. Horas antes, militantes lançaram dois mísseis Qassam e um morteiro contra Israel, sem provocar danos ou vítimas. Durante as discussões, oficiais de inteligência afirmaram que o Hamas está tentando conter seus militantes radicais porque tem interesse em cumprir o acordo de cessar-fogo. Este seria o motivo para que a organização islâmica estaria atrasando sua resposta aos recentes ataques promovidos pela Força Aérea israelense.   O primeiro bombardeio israelense foi feito na terça-feira, depois da morte de um soldado em uma explosão na região da fronteira com Gaza. Desde então, Israel promoveu diversas retaliações. A última, que feriu a maioria crianças, seria contra Mohammed Samiri, militante acusado por Israel de envolvimento no ataque contra a patrulha e que matou o militar. Segundo informações, o insurgente estaria dirigindo uma motocicleta em Khan Yunis quando um míssil explodiu próximo a ele.   Em entrevista à Al Jazeera, o líder máximo do Hamas no território, Ismail Haniyeh, afirmou que a reconciliação era o principal objetivo do grupo e que esperava que o próximo presidente americano revisasse todas as políticas de seu antecessor.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelHamaspalestinosFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.