Israel pode estender moratória sobre assentamentos, diz embaixador

Representante do país na ONU não quis mencionar datas ou circunstâncias da possível decisão

Reuters,

18 de outubro de 2010 | 23h39

NOVA YORK- O novo embaixador de Israel na ONU, Meron Reuben, afirmou nesta segunda-feira, 18, que o Estado judeu pode renovar uma moratória nas construções de assentamentos na Cisjordânia. A paralisação de dez meses terminou no mês passado e deteve as negociações diretas com palestinos, que haviam sido renovadas no início de setembro.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo Idas e vindas das negociações

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

Em entrevista à Reuters, o enviado também disse que ainda é muito cedo para declarar que o diálogo apoiado pelos Estados Unidos para a criação do Estado palestino está morto.

 

Falando após um debate sobre o Oriente Médio no Conselho de Segurança da ONU no qual uma série de países criticou o fim da moratória, Reuben disse que existe uma "confusão" absoluta sobre a medida, que jamais foi planejada para durar mais do que dez meses.

 

"De repente nossa moratória autoimposta se converteu no único assunto de que todos falavam e passou a ser a condição para a continuação das negociações, ainda quando as conversas foram iniciadas sem condições", declarou o diplomata.

 

Reuben deixou aberta, no entanto, uma possibilidade de que a paralisação seja estendida: "não estou dizendo que não poderia haver uma continuação, outro prolongamento da moratória".

 

O funcionário, contudo, se recusou a indicar quando ou sob quais circunstâncias Israel poderia dar continuidade à iniciativa, dizendo que isso deveria ser decidido pelo governo israelense.

 

"O governo está revisando as possibilidades e diferentes vias para ver para onde levar o processo de paz e como fazê-lo avançar desde aqui", acrescentou.

 

A coalizão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu é dominada por partidos que apoiam os interesses dos colonos.

 

As conversações diretas foram iniciadas em 2 de setembro, mas foram suspensas pelos palestinos em 26 de setembro, quando expirou a moratória de dez meses para a construção de novas casas nos territórios ocupados.

 

Na semana passada, o governo israelense anunciou um plano para construir mais casas em duas áreas urbanas de uma parte da Cisjordânia, que foi anexada por Israel a Jerusalém após a guerra de 1967.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.