Israel processa oficiais por atirar em palestino algemado

Exército diz que incidente é 'total falta de comando'; vítima foi vendada e atingida por bala de borracha

Efe,

07 de agosto de 2008 | 11h23

O Exército israelense processou nesta quinta-feira, 7, o tenente-coronel Omri Borberg, por ordenar que fosse dado um tiro a curta distância com uma bala de borracha contra um palestino algemado e com os olhos vendados, e o soldado que executou a ordem.   Veja também: Assista ao vídeo no site da ONG   O chefe do Estado-Maior israelense, Gabi Ashkenazi, afirmou que o incidente que protagonizou é de "muita gravidade" e "representa um fracasso moral do comando que não deveria ter acontecido", diz um comunicado distribuído pelo Exército.   O Advogado Geral Militar, general Avihai Mandelblit, afirmou que o incidente não pode se submeter a apenas uma ação disciplinar interna e deve ser julgada em um tribunal militar. Mandelblit apresentou acusações tanto contra Borberg como contra o soldado que efetuou o disparo, ao qual acusa de "conduta indigna".   A ONG B'Tselem expôs o episódio após descobrir que ele havia sido gravado em vídeo e qualificou a resposta militar ao incidente de "vergonhosa", ao entender que a ata de acusação não reflete a gravidade do crime. "Um Exército que trata o fato de abrir fogo contra um prisioneiro imobilizado como 'conduta indigna' está desonrando os valores que afirma manter", disse à Agência Efe Sarit Michaeli, porta-voz desta entidade.   A B'Tselem, junto com outras três ONG israelenses, enviou um pedido ao Advogado Geral para que seja suspenso temporariamente o processo para que endureça a ata de acusação, por considerá-la "muito leve". "Deve-se acusá-los de acusações que estejam em acordo com a gravidade da ação: abrir fogo contra um prisioneiro que está paralisado e indefeso é muito sério", declarou.   O tiro foi dado contra o palestino Ashraf Abu Rahma, de 27 anos, e na presença de um tenente-coronel que segurava o palestino pelo braço naquele momento. O vídeo mostra como um soldado israelense atira com um fuzil contra as pernas do detido a uma distância aproximada de 1,5 metro e, depois, mostra o prisioneiro caído no chão.

Tudo o que sabemos sobre:
Israelpalestino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.