Israel promete caçar suspeitos após morte de 4 colonos; Hamas faz ameaças

Quatro israelenses morrem em ataque na Cisjordânia; dois grupos palestinos reivindicam ataque

estadão.com.br,

31 de agosto de 2010 | 17h32

WASHINGTON- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ordenou nesta terça-feira, 31, às forças de segurança de seu país que persigam os homens que mataram quatro colonos judeus a tiros sem "restrições diplomáticas", de acordo com fontes próximas, e afirmou que a violência não determinará as fronteiras de Israel.  O Hamas, um dos dois grupos militantes palestinos que reivindicou autoria do ataque, ameaçou realizar novos ataques.

Veja também:

especial Infográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

"(Netanyahu) ordenou às forças de segurança que persigam os agressores sem restrições diplomáticas", disseram seus funcionários em um comunicado lido aos jornalistas que acompanham o premiê em Washington.

 

Estas declarações equivalem a uma autorização de Netanyahu para que as forças de segurança comecem a busca dos autores do ataque próximo da colônia judia de Kyriat Arba, na região de Hebron, na Cisjordânia.

 

Além disso, o primeiro-ministro garantiu que a violência não mudará as fronteiras do Estado judeu. "Não pode haver acordos sobre isso (...). O terrorismo não determinará as fronteiras nem o futuro de Israel", acrescentou o texto.

 

Hamas, que controla a Faixa de Gaza, e a Brigada dos Mártires de Al-Aqsa - grupo radical ligado ao Fatah, que governa a Cisjordânia, reivindicaram o ataque, que qualificaram como uma "ação heróica" contra a ocupação israelense.

 

Netanyahu está na capital americana para participar de reuniões de paz com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

 

Segundo uma fonte do governo israelense, Netanyahu irá dizer à secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que o ataque de hoje na Cisjordânia mostra que "não deve haver comprometimento" nas condições de segurança de Israel para reiniciar as conversações de paz.

 

"O assassinato criminoso prova novamente a necessidade de insistir firmemente nas rigorosas condições de segurança israelenses, e elas não serão comprometidas", disse porta-voz Nir Hezez quando Netanyahu chegou em Washington.

Leia ainda:

linkHillary inicia conversas com líderes sobre paz no Oriente Médio

Com Reuters

 

Atualizado às 18h00 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.