Israel promete limitar uso de bomba de fragmentação em eventual guerra

Israel prometeu reduzir substancialmente o uso de bombas de fragmentação numa eventual futura guerra contra o Hezbollah, em relação ao conflito travado em 2006, mas também decidiu que, nesse caso, invadirá o sul do Líbano antes e com mais força, disse um militar de alta patente nesta segunda-feira.

Reuters

29 de outubro de 2012 | 17h38

A revelação confirma que Israel já tem planos detalhados para uma ofensiva, evitando as polêmicas táticas usadas nos 34 dias de ação militar contra o Hezbollah, uma guerrilha xiita do Líbano que tem apoio do Irã.

Israel não aderiu à Convenção sobre Munições de Fragmentação, um tratado internacional criado em 2008 em parte por causa das vítimas causadas no Líbano por essas armas, que ao explodir espalham bombas menores, multiplicando os estragos e às vezes levando anos para serem detonadas por um inadvertido pedestre civil.

"Devido a toda uma gama de considerações --legitimidade, nossa não-indiferença ao tratado, eficácia e outros--, o uso da fragmentação deve ser reduzido em combate nas áreas rurais", disse o oficial a jornalistas estrangeiros.

Sob anonimato, ele disse que as "áreas rurais" abrangem "a maior parte do sul do Líbano". A dispersão das bombas de fragmentação, seja por artilharia ou pela força aérea, seria "muito reduzida, significativamente reduzida", segundo ele.

Cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, morreram no Líbano na guerra de 2006 entre Israel e Hezbollah, e 160 israelenses, a maioria militares, também perderam a vida no conflito.

(Reportagem de Dan Williams)

Tudo o que sabemos sobre:
ISRAELBOMBASFRAGMENTACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.