Israel reitera interesse em manter Jerusalém unificada

Presidente diz que na divisão de terras com palestinos, 'lugares santos devem ficar sob controle israelense'

Efe,

17 de outubro de 2007 | 14h53

O presidente de Israel, Shimon Peres, manifestou nesta quarta-feira, 17, o seu desejo de que Jerusalém permaneça "unificada" sob controle israelense. Ele ainda negou que os negociadores israelenses e palestinos para um acordo de paz para o Oriente Médio tenham chegado a um consenso sobre a divisão da capital. A cidade, cuja parte oriental é ocupada por Israel desde a Guerra dos Seis Dias (1967), sempre foi um dos principais pontos de discórdia nas negociações de paz entre israelenses e palestinos. "Atualmente, todos queremos uma Jerusalém unificada", disse Peres, em visita à cidade de Safed (norte de Israel). Segundo o presidente, caso israelenses e palestinos consigam chegar a um acordo, "está claro que os lugares santos devem permanecer sob controle israelense". As declarações de Peres ocorrem dois dias depois que o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, questionar a soberania israelense sobre determinados bairros árabes da cidade santa. "É necessário incluir os bairros de Shuafat, Arab al-Suwahara e Walaye em Jerusalém? Sobre isso seria preciso fazer algumas perguntas", disse Olmert, no Parlamento, pouco após reunir-se com a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, para preparar a conferência de paz prevista para o fim do ano em Annapolis (Maryland, EUA). Cerca de 59% dos israelenses judeus rejeitam a proposta de transferir aos palestinos bairros árabes de Jerusalém para que estabeleçam ali a capital de seu futuro estado, enquanto 33% a apóiam, segundo a última pesquisa publicada pelo jornal Haaretz.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelJerusalémpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.