Israel rejeita acordo e diz que esta é 'primeira fase de várias'

Já são 364 mortos e 1.400 feridos em ataques de Israel a Gaza; hospitais da região estão lotados

Redação com agências internacionais,

30 de dezembro de 2008 | 08h01

A ofensiva israelense contra o Hamas está "na primeira fase entre várias", afirmou nesta terça-feira o primeiro-ministro israelense Ehud Olmert. O primeiro-ministro rejeitou qualquer acordo com o Hamas durante reunião com o presidente Shimon Peres. Os bombardeios israelenses sobre a Faixa de Gaza, que já causaram mais de 364 mortes e deixaram 1.600 feridos desde sábado passado, continuam nesta terça-feira, pelo quarto dia consecutivo.     Veja também: Operação terrestre em Gaza depende do Hamas, diz Israel Cresce pressão mundial por cessar-fogo em Gaza Sete mil se alistam no Irã para atentados suicidas contra Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Veja imagens de Gaza após os ataques      Pouco antes, um porta-voz militar israelense, Avital Leibovitz, assegurou que "as forças terrestres estão prontas para agir". O vice-ministro da Defesa de Israel, Matan Vilnai, havia afirmado um pouco antes que, Israel está "pronto para semanas de combate".   Forças aéreas e navais israelenses atacaram nas primeiras horas de hoje vários alvos em Gaza, entre eles edifícios do Governo da Faixa, um campo de treinamento do movimento Hamas, um veículo carregado de mísseis, plataformas de lançamento de foguetes e uma fábrica de armas, informou à Agência Efe um porta-voz militar.   Desde ontem à noite o Exército israelense atacou 30 alvos, indicou o porta-voz, que disse ainda que nesse período as milícias palestinas lançaram cerca de 80 foguetes e bombas que causaram duas mortes e deixaram vários civis e militares feridos.   Nos hospitais de Gaza a situação é cada vez mais caótica e faltam remédios, camas, sangue para transfusões e locais próprios para conservar os corpos até que sejam levados por parentes Os nove hospitais da Faixa de Gaza estão lotados e alguns dos feridos foram levados a clínicas particulares e casas.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.