Israel retoma julgamento contra ex-presidente Moshé Katsa

Ex-líder enfrenta acusações de estupro a então funcionárias de seu gabinete quando era Ministro do Turismo

Efe,

13 de outubro de 2009 | 14h05

O Tribunal de Distrito de Tel Aviv retomou nesta terça-feira, 13, a audiência do julgamento por estupro contra o ex-presidente de Israel Moshé Katsav. A testemunha central do caso, cujo nome não pode ser divulgado e é conhecida como "A", se apresentou pela manhã perante a corte para declarar sobre os supostos abusos sexuais sofridos por parte do ex-chefe de Estado, informou a imprensa local.

 

"A", que trabalhava no escritório de Katsav quando este ostentava o cargo de ministro de Turismo, lhe acusa de assédio e violência sexual. No mês de março a Promotoria acusou formalmente a Katsav pelos delitos de assédio sexual, estupro e obstrução de Justiça.

 

A acusação não se limita só ao caso de "A", mas inclui denúncias de assédio de outras mulheres que trabalharam para ele enquanto ostentava os cargos de ministro de Turismo (1996-1999) e a Presidente de Israel (2000-2007).

 

A primeira denúncia de estupro contra Katsav se apresentou em 2006 e, após fazer-se pública, cerca de uma dezena de mulheres mais denunciaram ter sido acossadas sexualmente por ele, o que lhe obrigou a renunciar da Presidência.

 

Em um primeiro momento, Katsav chegou a um acordo extrajudicial com a Promotoria para aceitar as acusações de assédio sexual e indenizar às vítimas em troca que se anulasse a acusação de estupro.

 

No entanto, em abril de 2008, o ex-chefe de Estado israelense rejeitou a regra e assegurou que preferia ir a julgamento para lutar por sua inocência e pela verdade, e para "pôr fim à perseguição" a que estava sendo submetido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.