Israel se declara a favor de negociações diretas com palestinos

Vice-premier afirmou que gostaria de retomar 'imediatamente' conversações de paz congeladas há dois anos

Efe,

08 de março de 2010 | 19h11

Israel se pronunciou a favor de retomar as paralisadas negociações de paz diretas com os palestinos, disse nesta segunda-feira, 8, o vice-primeiro-ministro israelense, Silvan Shalom.

 

Veja também:

linkPara palestinos, negociação indireta é última chance de paz

linkIsrael autoriza construção de 112 novos apartamentos

 

As declarações de Shalom foram feitas no mesmo dia em que o governo dos Estados Unidos garantiu que autoridades israelense e palestinas aceitaram manter negociações indiretas mediadas pelo enviado especial americano para o Oriente Médio, George Mitchell.

 

"Israel gostaria de retomar as negociações diretas imediatamente", disse Shalom no final de uma com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, na qual analisaram a situação da região.

 

O vice-ministro destacou a vontade de seu país para chegar a essas conversações, ao mesmo tempo em que culpou a Síria e o Irã de serem um obstáculo para o processo devido ao apoio que dão ao movimento radical islâmico Hamas e às ações desta milícia contra Israel.

 

"Não temos nada contra os palestinos, mas com o Hamas é diferente", disse Shalom, que acusou o grupo de continuar lançando mísseis e foguetes em território israelense.

 

O funcionário também se declarou a favor de novas sanções ao Irã, cujo programa nuclear considerou uma ameaça a Israel e a toda a região. "Um míssel do Irã destruiria por completo o estado judeu", avaliou o político.

 

Anteriormente, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que esperava que a reunião do Quarteto sobre o Oriente Médio (ONU, EUA, Rússia e União Europeia) a ser realizada em Moscou no dia 19 de março, conduza a negociações diretas entre israelense e palestinos.

 

Ban reiterou em várias ocasiões seu pedido para que israelense e palestinos retomassem as negociações estancadas há dois anos.

 

O plano do Quarteto para a região prevê a criação de dois estados, Israel e Palestina, vivendo próximos em paz em segurança.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelPalestinanegociaçõespazONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.