Efe
Efe

Israel tem direito à autodefesa contra Irã, diz Netanyahu

Nos EUA, premiê afirma que diplomacia de Obama é bem-vinda, mas é preciso garantias contra armas nucleares

Agências internacionais,

18 Maio 2009 | 17h20

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin "Bibi" Netanyahu, disse nesta segunda-feira, 18, que Israel tem o direito de autodefesa contra o Irã, país que o Ocidente suspeita que esteja levando a diante um programa nuclear com fins bélicos. Nos Estados Unidos para reuniões com o presidente Barack Obama, Netanyahu afirmou ainda que os esforços diplomáticos de Washington para frear Teerã são bem-vindos, mas ressaltou que "o importante é a garantia de que o Irã não desenvolverá uma arma nuclear."

 

Veja também:

linkObama recebe Netanyahu na Casa Branca para discutir paz e Irã

 

As atividades atômicas do Irã foram um dos principais assuntos do encontro de Bibi com Obama na Casa Branca. O presidente americano disse esperar até o fim do ano uma resposta positiva à nova postura americana com relação a Teerã. Segundo ele, os EUA querem inserir o Irã na comunidade internacional, mas "não vamos ficar conversando para sempre."

 

Obama também que ressaltou que a opção de uma solução militar ao conflito com o Irã "não foi descartada". Antes da chegada de Netanyahu a Washington, o vice-ministro das Relações Exteriores israelense, Daniel Ayalon, afirmou que Israel quer que os Estados Unidos e a União Europeia (UE) reforcem as sanções contra o Irã, país que estaria "muito fraco", de acordo com o Estado judeu.

 

Por sua vez, o porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores do Irã, Hassan Qashghavi, pediu aos Estados Unidos que prestem atenção a seus próprios problemas e que não se deixem levar pelas ambições de Israel. Segundo Qashghavi, a visita de Netanyahu à Casa Branca não é mais que uma tentativa de transferir a outros países os problemas internos que tem com Israel e seu conflito com os árabes.

 

"Por isso, é muito importante que as autoridades americanas prestem atenção aos problemas do país e estejam atentas para que o regime sionista não os envolva em seus problemas", assegurou o porta-voz, citado pela imprensa local.

 

Qasghavi também se referiu mais uma vez às tentativas de reconciliação com o Irã feitas pelo presidente americano. "Consideramos esta aproximação realista, mas ainda esperamos para ver como acontecerá na prática. O Irã acredita que Obama deve ter a oportunidade de mudar", ressaltou.

Mais conteúdo sobre:
IsraelIrãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.