Israel volta a fechar passagens em Gaza; Egito abre fronteira

Governo israelense responde ao lançamento de foguetes; palestinos terão dois dias para buscar ajuda egípcia

Agências internacionais,

01 de julho de 2008 | 09h12

Israel voltou a fechar nesta terça-feira, 1, as passagens fronteiriças com a Faixa de Gaza em resposta aos ataques contra o território israelense. Como prometido, o Egito reabriu a passagem fronteiriça de Rafah para permitir a entrada em seu território de centenas de palestinos, a maioria estudantes e doentes   O governo israelense tinha reaberto os postos na fronteira no final de semana para a passagem de alguns caminhões com suprimentos, mas militantes palestinos em Gaza continuaram com os disparos, e lançaram mais dois foguetes Qassam, apesar da trégua estipulada há doze dias. A decisão de fechar novamente as passagens foi adotada no fim da noite desta segunda-feira pelo ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, apesar do cessar-fogo que rege na Faixa de Gaza entre o Estado judeu e o grupo islamita Hamas, que entrou em vigor em 19 de junho.   Uma porta-voz militar israelense disse que todas as passagens fronteiriças permanecerão fechadas até nova ordem, a exceção do principal cruzamento para pessoas de Erez, no norte de Gaza. Funcionários palestinos citados pela imprensa local disseram que o novo fechamento das fronteiras para produtos e mercadorias desta terça-feira impedirá que entre em Gaza uma carga de cimento esperada há muito tempo.   Israel informou ao Hamas que vai atirar contra os palestinos que se aproximarem da região fronteiriça da Faixa de Gaza, onde uma mulher foi ferida nesta terça por disparos israelense, informaram fontes palestinas. Nesta manhã, uma pastora palestina ficou ferida no pé quando conduzia seu rebanho ao sudeste da cidade de Khan Yunes, no sul da faixa mediterrânea, segundo fontes médicas palestinas. Um porta-voz militar israelense disse que seu Exército não tinha conhecimento de nenhum incidente ocorrido nessa região.   Segundo o jornal israelense Haaretz, o Estado judeu estuda a criação de uma "nova zona de segurança" de várias centenas de metros ao oeste da fronteira da Faixa de Gaza, e acrescenta que forças do Exército israelense efetuarão "disparos de advertência" contra qualquer pessoa que entrar nessa área.   Fronteira com o Egito   O Egito reabriu até quarta-feira s a passagem de Rafah, na fronteira com a Faixa de Gaza, para permitir o trânsito de centenas de pessoas que precisem de auxílio. Todos os palestinos que precisarem de alguma espécie de tratamento médico terão autorização para sair de Gaza, assim como aqueles que tiveram autorização para residir no Egito ou em outros países.   A passagem fronteiriça de Rafah foi fechada em junho do ano passado, quando o Hamas assumiu o controle da Faixa de Gaza após derrotar os milicianos do Fatah. No entanto, membros do Hamas derrubaram parte da fronteira em janeiro, o que permitiu a passagem de dezenas de milhares de palestinos ao Egito na busca por mantimentos e bens de primeira necessidade, em função do bloqueio israelense sobre a Faixa.   Onze dias depois, Hamas e Egito entraram em acordo para fechar a fronteira, o que significou devolver Gaza ao isolamento imposto pelo Estado judeu.   Matéria atualizada às 9h25.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.