Bashar Talib / Reuters
Bashar Talib / Reuters

Israelense morre após disparo de foguete na Faixa de Gaza

Moshe Agadi, de 58 anos, é o primeiro israelense a morrer depois que a tensão entre palestinos e israelenses voltou a crescer no sábado

AFP, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2019 | 02h29

Um israelense morreu na madrugada do domingo, 5, em decorrência de ferimentos provocados pelo disparo de foguetes na Faixa de Gaza contra a região onde mora, na cidade de Ashkelon

Moshe Agadi, de 58 anos, é o primeiro israelense a morrer depois que a tensão entre palestinos e israelenses voltou a crescer no sábado. Ele deixa quatro filhos. 

Mais de 450 foguetes foram disparados na Faixa de Gaza contra Israel, segundo as Forças Armadas israelenses, que responderam com ataques aéreos e com tanques. 

Os bombardeios israelenses deixaram cinco pessoas mortas e várias feridas. Entre as vítimas estão uma criança de 1 ano e 2 meses e sua mãe, que estava grávida, informou o Ministério da Saúde de Gaza. 

As Forças Armadas de Israel, porém, negaram ter matado a mulher grávida e seu bebê. Os militares atribuiram as mortes ao Hamas. "A mãe e a menina que morreram durante o ataque foram assassinadas pelas armas utilizadas pelo Hamas", disse o militar Ronen Manelis no Twitter, enfatizando que a acusação não passa de uma "propaganda". 

No final de março, sob os auspícios do Egito e da ONU, foi negociado um cessar-fogo, anunciado pelo Hamas - que detém o poder na Faixa de Gaza -, mas nunca foi confirmado por Israel. Isso permitiu manter relativa calma durante as eleições legislativas israelenses de 9 de abril.

A situação, porém, se degradou nesta semana. Os palestinos voltaram a disparar foguetes, e as represálias israelenses também retornaram. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Israel [Ásia]HamasFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.