Hatem Moussa/AP
Hatem Moussa/AP

Israelenses matam 3 em Gaza; foguetes atingem Israel

Palestinos lançaram foguetes, alguns dos quais caíram em cidade a 35 quilômetros de Gaza

REUTERS

09 de dezembro de 2011 | 10h19

GAZA - A violência voltou a explodir entre Israel e Gaza, com um bombardeio aéreo israelense matando três palestinos, e militantes disparando foguetes para o outro lado da fronteira.

Os combates começaram na quinta-feira, quando dois militantes palestinos foram mortos dentro de um carro bombardeado. Um dos mortos era ligado ao grupo islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza, e que Israel acusou de estar planejando o envio de homens armados para se infiltrarem no território israelense via península do Sinai (Egito).

Os militantes palestinos reagiram lançando foguetes, alguns dos quais caíram perto de Beersheba, cidade a 35 quilômetros de Gaza. Não houve vítimas. Em todo o sul de Israel, sirenes convocaram os moradores para abrigos antiaéreos.

Outro bombardeio israelense se seguiu na madrugada desta sexta-feira, atingindo um campo de treinamento do Hamas na Cidade de Gaza. A explosão destruiu uma casa vizinha, matando seu proprietário e ferindo a mulher dele e seis crianças, sendo duas em estado grave, segundo fontes hospitalares.

"Responsabilizamos totalmente o governo da ocupação sionista (Israel) por esse crime e por esta nova escalada", disse Fawzi Barhoum, porta-voz do Hamas.

O grupo rejeita qualquer negociação de paz com Israel, mas no passado já propôs tréguas para tentar consolidar seu domínio sobre Gaza e estabelecer um diálogo com a facção rival Fatah, que governa a Cisjordânia.

Nos últimos meses, Israel passou a se preocupar também com a infiltração de militantes pela península do Sinai, onde a vigilância militar egípcia se deteriorou em meio às turbulências políticas internas registradas desde o começo do ano.

Em agosto, homens armados saíram de Gaza, passaram pelo Sinai e entraram em Israel pelo extremo sul, matando oito pessoas. Nos combates que se seguiram, soldados israelenses entraram no território do Egito e mataram cinco policiais do país.

Israel pediu desculpas pelo incidente, e a junta militar egípcia prometeu reforçar a vigilância na região.

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELGAZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.