Itália alerta sobre a possibilidade de sequestro de 11 pessoas em Trípoli

Rebocador italiano foi retido no sábado no porto por um grupo de homens armados

Efe,

20 de março de 2011 | 15h48

ROMA - O ministro de Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse neste domingo que não se pode "excluir a hipótese de sequestro" das 11 pessoas que, a bordo do rebocador italiano "Asso 22", foram retidas no sábado no porto de Trípoli por um grupo de homens armados.

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

"Não sabemos quais são suas intenções", indicou Frattini sobre os líbios que retêm oito pessoas de nacionalidade italiana, dois indianos e um ucraniano.

 

Segundo o ministro, a Itália solicitou à Turquia, que defende os interesses do país na Líbia porque a embaixada italiana está fechada, que peça às autoridades de Trípoli autorização imediata para a partida do rebocador com sua tripulação.

 

Os fatos ocorreram na tarde de sábado, quando o rebocador - contratado pela companhia petrolífera Eni - estava desembarcando em Trípoli funcionários da empresa.

 

Vários homens armados, entre eles um identificado como comandante do porto, retiveram a tripulação da embarcação e impediram seu retorno à Itália.

 

Ainda não se sabe se as 11 pessoas permanecem a bordo do rebocador, que pertence à sociedade Augusta Offshore de Nápoles, especializada no serviço de assistência a plataformas petrolíferas e em atividades de prospecção e produção.

Leia ainda:

linkEUA: Zona de exclusão aérea já funciona na Líbia

linkTropas de Kadafi invadem cidade rebelde Misrata

linkRússia diz que 48 civis morreram e pede ataques restritos

linkRebeldes líbios caçam colaboradores de Kadafi

Tudo o que sabemos sobre:
guerralibiaItaliaTripoli

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.