Itamaraty condena 'reação desproporcional' de Israel em Gaza

Governo brasileiro diz ataques prejudicam solução negociada para conflito e pede o fim de bombardeios

Da Redação, estadao.com.br

27 de dezembro de 2008 | 18h37

O Itamaraty divulgou uma nota no fim da tarde deste sábado, 27, criticando a "reação desproporcional" de Israel no ataque realizado contra a Faixa de Gaza, e pediu o fim da violência na região. Veja o comunicado na íntegra a seguir:   Veja também: Total de mortos por Israel em Gaza já chega a 205 Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Olmert diz que operação em Gaza pode levar 'mais tempo' Europa pede fim dos ataques; EUA culpam Hamas  Abbas pede ajuda; Liga Árabe convoca reunião de urgência Reação palestina mata israelense; Hamas promete resistência Ataque israelense em Gaza espalha protestos no mundo árabe Irã enviará navio com ajuda para Gaza, diz TV estatal Veja imagens de Gaza após os ataques        "O Governo brasileiro acompanhou com apreensão a intensificação do lançamento de foguetes por milicianos do Hamas contra o sul de Israel e recebeu com grande preocupação a notícia do ataque aéreo israelense à faixa de Gaza na manhã deste sábado, que vitimou mais de 150 pessoas e causou ferimentos em outras 300.   A escalada da violência na região após o fim do cessar-fogo entre Israel e Hamas atinge especialmente a população civil e prejudica os esforços em favor de uma solução negociada e pacífica para o conflito israelo-palestino.   O Brasil deplora a reação desproporcional israelense, bem como o lançamento de foguetes contra o sul de Israel.   O Governo brasileiro conclama as partes a se absterem de novos atos de violência e estende sua solidariedade aos familiares das vítimas dos bombardeios desta manhã.   O Governo brasileiro reitera seu entendimento de que apenas a moderação e o diálogo construtivo poderão conferir ao processo de paz o impulso necessário para que avanços efetivos sejam alcançados, nos moldes do pactuado na Conferência de Annapolis."

Tudo o que sabemos sobre:
HamasIsraelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.