Itamaraty nega preparação de acordo bilateral nuclear com Irã

De acordo com jornal, governo teria consultado órgãos ligados ao programa atômico brasileiro para pacto

Denise Chrispim Marin e Tânia Monteiro, da Agência Estado,

26 de fevereiro de 2010 | 12h22

O Ministério das Relações Exteriores negou com veemência a informação de que o governo brasileiro prepara um acordo bilateral com o Irã na área nuclear.  O assessor de assuntos internacionais da presidência, Marco Aurélio Garcia, também desmentiu a notícia publicada nesta sexta-feira, 26, pelo jornal O Globo.

 

Questão nuclear iraniana: 

link AIEA está submetida às potências nucleares, diz Teerã

link EUA busca apoio do Brasil para sanções ao Irã

link Senado convoca Amorim para explicar apoio

De acordo com o jornal carioca, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) iniciou uma série de consultas a órgãos ligados ao programa nuclear brasileiro para a formulação de um possível acordo.

 

O pacto seria assinado durante a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Irã, em 15 de maio. A finalidade brasileira seria "blindar o governo iraniano".  Segundo um diplomata do gabinete do chanceler Celso Amorim, o GSI não fez nenhuma consulta ao Itamaraty sobre esse acordo bilateral. 

 

"Não há nenhum acordo bilateral na área nuclear sendo negociado com o Irã nem a pretensão de fazê-lo", rebateu a assessoria de imprensa do Itamaraty. A assessoria enfatizou que o governo brasileiro defende a negociação de um acordo entre as potências nucleares (Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia) e o Irã, com intermediação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

VEJA TAMBÉM:
especial Especial: O programa nuclear do Irã
especial Cronologia: O histórico de tensões

 

Esse acordo permitiria a troca do estoque iraniano de urânio enriquecido em baixos teores por combustível nuclear proveniente da França, em princípio. O Brasil insiste que a via do diálogo deve ser preservada e que a imposição de novas sanções contra o Irã, como desejam as potências nucleares, não teria o efeito de levar o governo iraniano a retomar as negociações.

 

Mais negativas

O assessor internacional da presidência, Marco Aurélio Garcia, também negou hoje que o governo esteja preparando um acordo na área militar para ser discutido durante a viagem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará ao Irã, em maio. "Não tem nada disso", declarou Garcia, que acompanha o presidente na viagem a El Salvador.

Diante da insistência dos jornalistas sobre se o governo tem intenção de viabilizar algum tipo de entendimento nesta área, ele ironizou: "Quando vocês ouvirem a bomba...". Em seguida, Garcia quis saber a origem da notícia. Informado de que tinha sido publicada na edição de hoje do jornal O Globo a informação de que o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) iniciou uma série de consultas a órgãos ligados ao programa nuclear brasileiro para a formulação de um possível acordo com o Irã, ele reiterou: "Não tem nenhum acordo".

 

O presidente Lula chegou ontem à noite a San Salvador e, neste momento, está no Centro de Convenções do Hotel Sheraton participando de uma reunião com empresários salvadorenhos e brasileiros.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearCelso Amorim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.