Japão dedicará US$5 bilhões à reconstrução do Afeganistão

Ajuda será para criação de programas de emprego, educação e apoio econômico ao desenvolvimento agrícola

Efe

10 Novembro 2009 | 04h19

O Governo do Japão decidiu nesta terça-feira, 10, destinar até US$ 5 bilhões durante os próximos cinco anos à reconstrução do Afeganistão.

 

A decisão foi anunciada pelo ministro porta-voz, Hirofumi Hirano, e será transferida nesta sexta-feira ao presidente americano, Barack Obama, quando se reunir em Tóquio com o primeiro-ministro japonês, Yukio Hatoyama, informa a agência local "Kyodo".

 

O compromisso japonês parece destinado a suavizar o impacto do fim da operação logística japonesa de apoio aos EUA no Afeganistão, que inclui a provisão de combustível às tropas americanas no Oceano Índico e que será concluída em janeiro próximo.

 

O plano do Executivo japonês inclui a subvenção de programas de criação de emprego para ex-combatentes taliban e apoio econômico ao desenvolvimento agrícola, criação de infraestruturas, educação e sistema sanitário.

 

Segundo Hirano, a reconstrução do Afeganistão é para o Governo japonês "um problema muito grande não só para o Japão e os Estados Unidos mas também para toda a comunidade internacional", que deve "permanecer unida".

 

Japão, um dos maiores doadores do mundo, se comprometeu em abril passado a oferecer US$ 1 bilhão até 2013 ao Paquistão, país que receberá durante esse período a mesma doação por parte dos EUA, segundo se decidiu na última conferência de doadores do Paquistão realizada em Tóquio.

 

O fim do apoio das Forças Navais de Autodefesa (Marinha japonesa) era uma das promessas eleitorais do novo Governo do Partido Democrático (PD), que venceu nas eleições de 30 de agosto. Tanto o Afeganistão como os Estados Unidos pediram em várias ocasiões ao Japão que não finalize suas operações com a frota americana.

 

Como contrapartida, Tóquio tinha oferecido mais cooperação nos programas de reconstrução no Afeganistão, especialmente na formação de profissionais e ajudas civis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.