Japão denuncia seqüestro de jovem de 23 anos no Irã

Refém pode ser um estudante universitário que estava viajando pelo país desde maio

Efe,

11 de outubro de 2007 | 01h38

Um japonês de 23 anos foi seqüestrado na segunda-feira, 8, no sudeste do Irã por um grupo armado, informou nesta quinta-feira, 11, informou a agência local de notícias Kyodo, citando fontes da embaixada do Japão em Teerã. O refém, cuja identidade ainda não foi revelada pelo Ministério de Assuntos Exteriores do Japão, pode ser um estudante universitário que estava viajando desde maio, segundo a Kyodo. Segundo as informações da Chancelaria japonesa, a embaixada japonesa no Irã recebeu um telefonema de um homem na segunda-feira. Ele disse em japonês que tinha sido retido contra sua vontade no sudeste iraniano. A embaixada japonesa pediu ao Governo iraniano que comprove a entrada do refém em seu país, solicitação que está sendo analisada. O próprio ministro de Assuntos Exteriores japonês, Masahiko Koumura, pediu ajuda a seu colega iraniano, Manouchehr Mottaki, através dos canais diplomáticos freqüentes, informou o governo japonês. Além disso, Osamu Uno, secretário parlamentar de Assuntos Exteriores do Japão, se reuniu na quarta-feira com o embaixador do Irã em Tóquio para solicitar sua colaboração. Além disso, um grupo de trabalho, encabeçado pelo vice-ministro japonês Itsunori Onodera, foi constituído para tratar da questão. Nos últimos anos, vários estrangeiros foram seqüestrados por grupos armados no sul do Irã, área que faz divisa com o Paquistão e o Afeganistão. O último incidente do tipo aconteceu em 30 de agosto, quando um grupo armado seqüestrou 30 turistas que cruzavam a região num ônibus. Duas semanas antes, dois cidadãos belgas foram retidos quando atravessavam a área em direção ao Paquistão.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãJapãoseqüestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.