Japão e China condenam o assassinato de Bhutto

Governos dos dois países expressam seu pesar a todas as vítimas do atentado terrorista

Efe

28 de dezembro de 2007 | 01h41

O Japão condenou,  nesta sexta-feira, o atentado e ataque suicida que matou a líder da oposição paquistanesa Benazir Bhutto, segundo a agência japonesa "Kyodo". Além do Japão, a China também manifestou sua condenação ao assassinato de  Bhutto, e enviou condolências à família da líder oposicionista paquistanesa, assim como aos parentes dos outros mortos no atentado terrorista da última quinta-feira. Veja também:Conflitos após morte de Benazir deixam 14 mortos no PaquistãoSharif diz que vai boicotar eleições Bush diz que assassinato foi 'ato covarde'  Filha de dinastia, Benazir era figura polêmica Análise: Paquistão em mares desconhecidosImagens Cronologia: A trajetória de Benazir Vídeo e análise com Roberto Godoy Blog do Guterman: Guerra civil à vista   "O Japão condena firmemente os atos terroristas desprezíveis e imperdoáveis, porque pretendem destruir através da violência os esforços no Paquistão para realizar eleições justas e democráticas", afirmou em comunicado o ministro de Relações Exteriores japonês, Masahiko Komura. Além disso, o Governo japonês expressou seu pesar aos parentes de Benazir Bhutto e das outras vítimas do atentado terrorista. "Esperamos sinceramente que o Paquistão possa superar esta tragédia e continue lutando contra o terrorismo enquanto avança na promoção da democracia", acrescentou Komura. Ele afirmou que a luta contra o terrorismo "é importante não só para o Paquistão, mas também para seus vizinhos e para a comunidade internacional em seu conjunto". China condena "energicamente" o atentado  "Condenamos de forma contundente esse ato terrorista", disse poucas horas depois do atentado o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Qin Gang, através de um comunicado. A China tem sido um tradicional aliado do Paquistão desde a independência do país, especialmente em seu prolongado conflito com a Índia pela região da Caxemira.

Tudo o que sabemos sobre:
Benazir Bhuttomorteatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.