Jornal reformista no Irã é fechado 24h após ser relançado

Publicação foi suspensa há seis anos; juiz responsável pela suspensão apresentou recurso contra reabertura

Efe,

18 de maio de 2009 | 05h22

O Poder Judiciário iraniano fechou o jornal pró-reformista Yase No, próximo ao ex-presidente Mohammad Khatami, apenas 24 horas depois que foi relançado, após seis anos de suspensão.

 

O assessor de imprensa do Ministério da Cultura e a Orientação Islâmica iraniano, Alireza Melkian, explicou nesta segunda-feira, 18, que a publicação do jornal foi vetada por causa do recurso apresentado pelo juiz Said Mortazavi, promotor do tribunal geral e revolucionário de Teerã.

 

Aparentemente, o juiz, que foi o responsável direto do fechamento da publicação há seis anos, interpôs um processo, pois na sua opinião ele deveria ter sido informado antes de o periódico reaparecer.

 

"Ontem (domingo) recebemos uma carta emitida pelo procurador-geral do tribunal revolucionário de Teerã sobre o periódico e enviamos uma cópia da carta ao escritório do Conselho Supervisor da Imprensa. Não tivemos nada a ver que o assunto", insistiu Melkian em declarações à agência Fars.

 

A organização de defesa dos jornalistas "Repórteres sem Fronteiras" considera o Irã um dos principais "predadores" dos meios de comunicação.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãimprensa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.