Justiça do Irã confirma acusação de espionagem contra 2 alemães

Dois alemães presos no Irã quando entrevistavam o filho de uma mulher condenada a ser apedrejada até a morte estão sendo acusados de espionagem, disseram fontes judiciais nesta terça-feira.

HOSSEIN JASEB, REUTERS

16 de novembro de 2010 | 08h50

O Irã inicialmente acusou os alemães, que entraram no país com vistos de turista, de trabalharem ilegalmente como jornalistas, mas o chefe do Judiciário na província do Azerbaijão Oriental declarou que eles serão processados por espionagem, o que pode acarretar a pena de morte.

A dupla entrevistava o filho de Sakineh Mohammadi Ashtiani, que foi condenada à morte, mas teve a pena suspensa após o caso provocar uma forte reação internacional.

"A acusação de espionagem para os dois cidadãos alemães que vieram ao Irã realizar propaganda e espionagem foi aprovada", disse o juiz Malekajdar Sharifi à agência semioficial de notícias Fars.

A condenação de Sakineh, de apedrejamento por adultério, provocou uma intensa mobilização internacional, num momento delicado das relações do Irã com o Ocidente por causa da insistência iraniana em manter um programa de enriquecimento de material nuclear, apesar das restrições dos EUA e de seus aliados.

A União Europeia qualificou de "barbaridade" a condenação da mulher ao apedrejamento, o Vaticano implorou por clemência, e o Brasil ofereceu asilo a ela.

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, nega que Sakineh tenha sido condenada ao apedrejamento, e diz que a imprensa estrangeira inventou isso para desacreditar o Irã.

Outras autoridades dizem que a pena de lapidação foi suspensa, mas que Sakineh ainda pode ser enforcada se condenada por cumplicidade no assassinato de seu marido.

A TV iraniana exibiu na segunda-feira uma entrevista em que os alemães disseram ter sido enganados por um ativista iraniano na Alemanha.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAESPIONAGEMALEMAES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.