Kadafi e Berlusconi assinam acordo indenizatório bilionário

O líder líbio Muammar Kadafi eo primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, assinaramneste sábado um acordo sob o qual a Itália pagará bilhões dedólares em investimentos e indenizações por sua colonização nopaís do norte da África. O "pacto de amizade" deve remover a última barreira parauma melhora nos laços entre a Itália e a Líbia, uma grandeprodutora de energia. "Este acordo abre as portas para a futura cooperação eparceria entre Itália e Líbia", disse Kadafi na cerimônia deassinatura, em um palácio que já foi a sede da autoridadegovernamental italiana no país, durante o período de 1911-1943. Berlusconi disse que o acordo encerra "40 anos dedesentendimentos", acrescentando que "isso é um reconhecimentocompleto e mora pelos danos infligidos à Líbia pela Itáliadurante a era colonial". A Líbia acusa a Itália de ter matado milhares de líbios eretirado outros milhares de suas vilas e cidades durante operíodo. Berlusconi disse em sua chegada que, pelo acordo, 200milhões de dólares anuais serão investidos pela Itália na Líbiadurante 25 anos. "As empresas italianas farão mais negócios naLíbia", acrescentou, sem dar detalhes. Autoridades italianas afirmaram anteriormente que o acordocobria "alguns bilhões de dólares" em indenização e 5 bilhõesde dólares em investimentos, incluindo a construção de umarodovia que vai da fronteira com a Tunísia até o Egito. Oprojeto também envolve a retirada de minas colocadas na épocacolonial. A Itália espera, em troca, obter contratos de energia e queo governo de Trípoli endureça suas medidas de segurança paraconter o fluxo de imigrantes ilegais, incluindo patrulhasmarítimas dos dois países. Em um gesto de boa vontade no sábado, a Itália devolveu umaestátua antiga de Vênus, tomada por Roma durante o períodocolonial, informou a imprensa estatal da Líbia. A "Vênus de Cirene", que está sem a sua cabeça, foi levadada cidade de Cirene, uma antiga colônia grega, por tropasitalianas e colocada à mostra em Roma. A Itália tem tido relações difíceis com a Líbia desde queKadafi assumiu o poder, em 1969. Ele expulsou italianos do paíse confiscou as suas propriedades em 1970. Roma apóia a tentativa de Trípoli de melhorar suas relaçõescom o Ocidente, que avançaram consideravelmente desde 2003,quando a Líbia assumiu a responsabilidade pela explosão de umavião da Pan Am, em Lockerbie, na Escócia, em 1988. A Líbiatambém disse que pararia de desenvolver armas nucleares,químicas e biológicas. No dia 14 de agosto, a Líbia assinou um acordo com osEstados Unidos para acertar as reivindicações de indenização deambos os países por bombardeios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.