Kadafi está em cidade do deserto líbio, diz comandante militar

Ditador estaria em Bani Walid, na companhia de seu filho Saif e do chefe de inteligência

REUTERS

01 Setembro 2011 | 08h34

TRÍPOLI - Muamar Kadafi está numa cidade do deserto líbio, planejando uma reação, disse na quinta-feira um comandante militar do novo governo, enquanto uma conferência internacional discute os rumos do país após os 42 anos de regime autocrático e seis meses de guerra civil.

 

Veja também:

TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

Abdel Majid Mlegta, coordenador da sala de operações militares em Trípoli, disse à Reuters que "alguém em quem confiamos" relatou que Kadafi fugiu para Bani Walid, 150 quilômetros ao sul da capital, na companhia de seu filho Saif al Islam e do seu chefe de inteligência, Abdullah al-Senoussi. A fuga teria ocorrido na semana passada, três dias depois da entrada das forças rebeldes em Trípoli.

"Eles queriam estabelecer uma sala de operações lá e conduzir operações agressivas contra nós", afirmou Mlegta. "Conversamos com notáveis da Bani Walid para prendê-lo e entregá-lo. Eles não responderam. Estamos avaliando nossa posição."

"Em quatro dias encontraremos uma solução", acrescentou. "Somos capazes de encerrar a crise, mas a ação militar por enquanto está fora de cogitação."

Bani Walid é um reduto da poderosa tribo Warfalla. "Não podemos atacar essa tribo porque muitas das nossas brigadas em Benghazi e Zintan são de Bani Walid. Os filhos de Bani Walid detêm a chave para a solução."

Combatentes do Conselho Nacional de Transição da Líbia disseram nesta semana estar a 30 quilômetros de Bani Walid.

A França está sediando uma conferência internacional sobre a Líbia nesta quinta-feira, quando líderes do CNT sentarão com as potências mundiais para discutir a reconstrução da Líbia.

Apesar de a agenda de três horas ter como foco a reconstrução política e econômica do país africano, negociações nos bastidores devem refletir as disputas por contratos lucrativos em petróleo, serviços públicos, infraestrutura e outras áreas.

 

 

Mais conteúdo sobre:
LIBIA GADDAFI PARADEIRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.