Karzai diz que permanece como presidente afegão até eleições

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, disse neste sábado que aceitaria o consenso nacional para serem realizadas eleições em agosto, mas afirmou que não renunciará antes do pleito. A ainda jovem democracia afegã entrou em turbulência por uma disputa sobre a Constituição. O distúrbio pode minar o crédito do sistema governamental em si, enquanto o país luta para combater a resistente insurgência do Taliban, que vem crescendo em tamanho e alcance. Karzai afirmou que quer, acima de tudo, que a Constituição seja respeitada. Isso significa que ele ficaria no cargo até o final de seu mandato, em 21 de maio, e as eleições seriam realizadas em seguida. Mas a comissão eleitoral diz que o pleito não pode acontecer antes de 20 de agosto, pois ele não poderia ser organizado no inverno e não seria possível disponibilizar forças extras de segurança antes disso. "Agora que todos estão procurando por um consenso nacional, não a Constituição para as eleições, eu respeito isso, e aceitei a decisão da comissão eleitoral", disse Karzai. Líderes da oposição querem que um líder interino assuma o cargo para substituir Karzai entre maio e agosto, dizendo que seu governo não será legítimo após 21 de maio, quando seu mandato termina, mas o presidente afirma que a Constituição não faz referência alguma a esse aspecto. "Enquanto não houver eleição, o presidente permanecerá no poder", afirmou. Ele disse que o consenso nacional é de que as eleições sejam realizadas em agosto e que os líderes da oposição têm que aceitar esse fato ou que o pleito seja realizado no próximo mês. (Por Jonathon Burch)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.